Sexta-feira, 19 de agosto de 2022

#MetaAColher

#MetaAColher: “Não sou índice de feminicídio, mas poderia ser”, diz vítima de violência doméstica

Durante o programa Seis em Ponto, ouvinte fez um desabafo sobre a violência que sofreu

#MetaAColher: “Não sou índice de feminicídio, mas poderia ser”, diz vítima de violência doméstica

Foto: Reprodução

Por: Mariana Bamberg no dia 06 de junho de 2022 às 08:12

Dormir e acordar todos os dias sabendo que sua vida poderia representar apenas mais um número de feminicídio em um estado onde uma mulher morre a cada quatro dias. É assim que vive uma ouvinte da Rádio Metropole, que, estimulada pela campanha #MetaAColher, resolveu relatar seu caso. 

“Essa pauta é muito oportuna. Eu fui vítima de violência doméstica. Os agressores são absolvidos pela sociedade por não ter um incentivo ao conhecimento do que de fato é a violência doméstica. Queria parabenizar a rádio. Eu não sou um índice do feminicídio, mas poderia ter sido”, desabafou a ouvinte, que preferiu não revelar sua identidade.

No relato, que aconteceu durante o programa Seis em Ponto desta segunda-feira (6), a mulher alertou ainda para a possibilidade de qualquer mulher ser vítima deste tipo de crime. Para ela, muitas vítimas acabam resolvendo não denunciar a violência sofrida para “resguardar sua posição social”. 

“Eu, por exemplo, não sou uma mulher que não é esclarecida. Sou graduada, tenho pós-graduação, um bom emprego. Existe um tabu muito grande em cima deste assunto”, alertou a ouvinte.
 
Mãe de dois filhos, a mulher relatou ainda que seu agressor tem mandado de prisão, mas foi internado em uma clínica psiquiátrica. Ela alertou também para a necessidade de enxergar a violência sofrida antes do ápice, que é o feminicídio.

"A violência é silenciosa e causa muitos danos em diversos níveis, psicológico, emocional, patrimonial. Eu sou mãe de 2 filhos, me separei em uma situação de total dependência emocional. Até hoje faço acompanhamento e tratamento psicológico para superar tudo que eu passei. A sociedade desconhece um pouco do que vem antes do ápice”, desabafou. 

Ouça o depoimento da ouvinte na íntegra:

 
O Grupo Metropole está engajado em denunciar e cobrar respostas sobre casos de feminicídio e violência contra a mulher. Além disso, vamos receber denúncias pelo número (71) 3505-5000, tanto por ligação como por Whatsapp. Por fim, nas redes sociais (@grupo.metropole no Instagram e @metropole no Twitter).  Criamos o movimento #MetaAColher. É preciso dar um basta nos casos de violência contra a mulher e estamos engajados nesta causa. 

#MetaAColher: “Não sou índice de feminicídio, mas poderia ser”, diz vítima de violência doméstica - Metro 1