Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

Cidade

Após acusação da irmandade, padre Edson nega ter embolsado doações e promete provas

Em nota neste domingo, a irmandade alegou que "em momento algum existiu ou existe perseguição ou competição" contra o padre

Após acusação da irmandade, padre Edson nega ter embolsado doações e promete provas

Foto: Divulgação/Arquidiocese de São Salvador

Por: Mariana Brasil no dia 29 de maio de 2023 às 15:37

Atualizado: no dia 29 de maio de 2023 às 15:57

O padre Edson Menezes, reitor da Basílica do Senhor do Bonfim, voltou a se manifestar sobre a perseguição que diz estar sofrendo por parte da irmandade da igreja. A entidade afirmou em nota emitida neste domingo (28) que o padre teria embolsado R$ 50 mil, acusação rechaçada pelo reverendo em entrevista ao Metro1

“As coisas estão sendo encaminhadas no sentido de esclarecimentos a respeito da verdade”, disse o padre Edson. “[A verdade] não é o que eles dizem. Eles publicaram ontem uma nota que não é verdadeira, dizendo que eu embolso da Igreja do Bonfim R$50 mil por mês e isso não é verdade. Eu tenho o contracheque do salário que eu recebo”, acrescentou.

O reverendo reforçou ainda que presta contas à irmandade mensalmente e que pode apresentá-las, mas vai esperar o posicionamento a ser publicado pelo cardeal arcebispo de Salvador Dom Sérgio da Rocha, provavelmente nesta terça-feira (30).

Na nota deste domingo, a Irmandade alegou que "em momento algum existiu ou existe perseguição ou competição, e muito menos a despropositada alegação de ameaça por parte do Juiz jorge Nunes Contreiras ou de qualquer outro irmão mesário em relação ao padre Edson Menezes, até porque, não há motivos para tal conduta".

A irmandade disse ainda que o padre “não poderá continuar a receber as coletas de todas as sextas-feiras, e metade da arrecadação dos dois cofres laterais da Igreja, já que esse fato vinha sendo praticado indevidamente, com a permissão das administrações anteriores em manifesto desrespeito ao Estatuto, chegando a auferir aproximados R$ 50.000,00 mensais, sem a devida prestação de contas”.