Cidade

Brasileiro é vítima de racismo e sai de campo chorando em jogo na Europa

O meia brasileiro Everton Luiz, de 28 anos, joga pelo clube servo Partizan Belgrado e no último domingo (19) foi vítima de uma série de agressões racistas da torcida do clube rival, Rad. Após os ataques, o jogador saiu de campo chorando. [Leia mais...]

[Brasileiro é vítima de racismo e sai de campo chorando em jogo na Europa]
Foto : AFP

Por Laura Lorenzo no dia 20 de Fevereiro de 2017 ⋅ 18:09

O meia brasileiro Everton Luiz, de 28 anos, joga pelo clube servo Partizan Belgrado e no último domingo (19) foi vítima de uma série de agressões racistas da torcida do clube rival, Rad. Após os ataques, o jogador saiu de campo chorando.

De acordo com a Folha de SP, os torcedores do time rival faziam sons de macaco a cada vez que o jogador tocava na bola. O jogo chegou a ser interrompido por alguns minutos, quando um grupo de torcedores abriu uma bandeira na arquibancada para insultar o brasileiro, que foi campeão da Copa Sérvia no ano passado, com o Partizan.

A polícia precisou entrar em campo para controlar a confusão entre os jogadores dos dois times, enquanto Everton se dirigia, chorando, para o vestiário. "Não consegui conter as lágrimas, ao enfrentar insultos racistas das arquibancadas durante 90 minutos", disse o brasileiro. "Fiquei ainda mais chocado com a atitude dos jogadores adversários que, em vez de acalmar as coisas, apoiaram esse comportamento", completou.

Apesar das agressões verbais, Everton terá que enfrentar uma ação disciplinar do clube por ter mostrado o dedo médio para a torcida adversária. Ele pediu que as autoridades do futebol sérvio punam também os torcedores do Rad. O Partizan venceu a partida por 1 a 0.

Notícias relacionadas

[Homem diz ter cometido 13 estupros em Salvador e RMS ]
Cidade

Homem diz ter cometido 13 estupros em Salvador e RMS

Por Juliana Almirante no dia 12 de Outubro de 2019 ⋅ 09:00 em Cidade

Segundo a polícia, ele oferecia as oportunidades de emprego, se passava pelo motorista de um suposto contratante, e dopava as mulheres, antes de cometer os crimes