Cidade

Flanelinhas “fecham” rua no Itaigara e dizem ter apoio da Transalvador: “Não nos abusam”

De segunda a sábado, a área em frente ao Hotel Fiesta, no Itaigara, funciona como Zona Azul, mas no domingo o espaço é, literalmente, tomado pelos guardadores de carro. Um vídeo feito por um leitor do Metro1 mostra que, além de isolarem um trecho da via cobrando R$ 10 para o motorista deixar o carro, os flanelinhas garantem que têm “parceria” com a Transalvador para atuarem na região [Leia mais...]

[Flanelinhas “fecham” rua no Itaigara e dizem ter apoio da Transalvador: “Não nos abusam”]
Foto : Leitor/Metro1

Por Bárbara Silveira no dia 05 de Setembro de 2017 ⋅ 15:32

De segunda a sábado, a área em frente ao Hotel Fiesta, no Itaigara, funciona como Zona Azul, mas no domingo o espaço é, literalmente, tomado pelos guardadores de carro. Um vídeo feito por um leitor do Metro1 mostra que, além de isolarem um trecho da via cobrando R$ 10 para o motorista deixar o carro, os flanelinhas garantem que têm “parceria” com a Transalvador para atuarem na região.

“É R$ 10 o dia todo e sem cartela [de Zona Azul]. A gente fecha a rua aqui para organizar. A Transalvador não abusa a gente aqui, não. Eles deixam, pode perguntar a baiana que trabalha ali”, afirmou o guardador sem saber que está sendo filmado.

De acordo com o leitor do Metro1, a movimentação de carros no local aos domingos é intensa, pois cursos de pós-graduação funcionam na região. “Na última vez, minha esposa não pagou e eles disseram que tiraram foto do carro e que era pra esperar a multa chegar em casa. Além disso, se amotinam ao redor do carro pra intimidar. Isso é extorsão, é crime”, contou.

Em 2013, a Câmara Municipal de Salvador aprovou um projeto de Lei que proibia a atuação dos guardadores fora as áreas de zona azul da cidade. A punição para a prática, segundo o projeto de Paulo Câmara, seria a chamada prisão simples de 15 dias a três meses de reclusão ou multa. A Transalvador ainda não se pronunciou sobre a denúncia.

Veja vídeo:

Notícias relacionadas