Domingo, 13 de junho de 2021

Cidade

Promotora diz que consórcio não tem "fôlego financeiro" para administrar Aeroclube: "Contrato nasceu errado"

A promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia Rita Tourinho comentou na manhã desta terça-feira (26) sobre a situação do Aeroclube. [Leia mais...]

Promotora diz que consórcio não tem "fôlego financeiro" para administrar Aeroclube: "Contrato nasceu errado"

Foto: Agecom/ Prefeitura de Salvador

Por: Matheus Morais no dia 26 de setembro de 2017 às 09:43

A promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia Rita Tourinho comentou na manhã desta terça-feira (26) sobre a situação do Aeroclube. O juiz Mário Soares Caymmi Gomes, da 8ª Vara da Fazenda Pública de Salvador, suspendeu, em caráter liminar, o ato administrativo da prefeitura de Salvador com o Consórcio Parques Urbanos, grupo que detém a posse da área onde ficava o antigo shopping center Aeroclube Plaza Show até o ano de 2052. Para Tourinho, o consórcio não tem condições de administrar a área.

"O município fez um rescisão unilateral e o consórcio alega que não foram feitos os trâmites legais. O consórcio também diz que o município tem que ressarci-lo. A obra não foi entregue para a coletividade e agora o judiciário está com essa liminar", disse.

Na oportunidade, Tourinho também elogiou o desempenho do juiz Mário Soares Caymmi Gomes e pediu que a questão do Aeroclube seja resolvida de forma rápida. "Esse contrato nunca foi vantajoso para a Prefeitura de Salvador. A concepção original do contrato era uma grande promessa que haveria um grande parque e ele nunca existiu. O consórcio não tem fôlego financeiro para empreender naquele local. É importante que aquela área volte par ao município e a destinação atenda às expectativas da população, enquanto isso o local fica exposto à violência. O que tinha no contrato é que o consórcio tinha que construir o parque e gerir. Nada pode ser utilizado ali pelo município. É possível que até o final do ano a área esteja liberada. Tem que ser dada uma solução rápida para aquilo ali. A situação não é recente. Nós do Ministério Público sempre tivemos contrários a esse contrato. Ele já nasceu errado", ressaltou.

Questionada sobre quem eram os donos do consórcio, a promotora não soube responder. "Os donos eram da Nacional Iguatemi, mesmos donos do Shopping Iguatemi aqui de Salvador. Só que houve uma cadeia sucessória dos contratos e que não podemos nem citar os sócios. Não sei se essas pessoas aparecem como sócios. Há uma obscuridade de quem são os sócios desse empreendimento", disse.

TV METRO

Entrevistas

Ana Cristina Batalha

Em 11 de junho de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Promotora diz que consórcio não tem "fôlego financeiro" para administrar Aeroclube: "Contrato nasceu errado" - Metro 1