Terça-feira, 15 de junho de 2021

Cidade

Mudança das linhas de ônibus decreta o fim da Baixa dos Sapateiros

Cantada em verso e prosa, a Avenida J.J Seabra, conhecida como Baixa dos Sapateiros, que já foi o maior centro comercial popular de Salvador, está agonizando. Lojas vazias, empregos escassos e ruas abandonadas. Esse é o retrato atual do local que já abrigou lojas importantes como: Brasileiras, Pernambucanas, Nunes Calçados, Feira dos Tecidos e Leão de Ouro, além de cinemas como Jandaia e Pax [Leia mais...]

Mudança das linhas de ônibus decreta o fim da Baixa dos Sapateiros

Foto: Tácio Moreira/Metropress

Por: Matheus Morais no dia 22 de fevereiro de 2018 às 08:27

Cantada em verso e prosa, a Avenida J.J Seabra, conhecida como Baixa dos Sapateiros, que já foi o maior centro comercial popular de Salvador, está agonizando. Lojas vazias, empregos escassos e ruas abandonadas. Esse é o retrato atual do local que já abrigou lojas importantes como: Brasileiras, Pernambucanas, Nunes Calçados, Feira dos Tecidos e Leão de Ouro, além de cinemas como Jandaia e Pax.

Para os comerciantes, um dos principais motivos para a derrocada do local é a degradação dos terminais do Aquidabã e da Barroquinha, que ficam nos extremos da rua. “O Aquidabã virou ponto de mendigos, de sujeira, a sensação de insegurança é grande, quem é que vai querer descer aqui para comprar?”, questiona o presidente da Associação dos Lojistas da Baixa dos Sapateiros e Barroquinha (Albasa), Ruy Barbosa, que chegou a ter sete lojas na Avenida e atualmente tem apenas uma.

A crise é tanta que, no mês passado, os comerciantes fecharam as portas das lojas durante a manhã de um dia útil e foram protestar contra a retirada das linhas de ônibus da região. Há 10 anos, a Albasa contabilizava 452 pontos de venda, já em 2017, o número despencou para 400 pontos comerciais. “A Baixa dos Sapateiros está na UTI”, sentencia Ruy Barbosa.

\"\"

De 200 para 40 ônibus circulando por hora
Um levantamento da Albasa mostra que a circulação de ônibus nos terminais do Aquidabã e da Barroquinha caiu vertiginosamente. Em 1974, 200 ônibus por hora circulavam em mão dupla. Em 2012, a queda foi mais brusca e atingiu 60 ônibus por hora, despencando para apenas 40 coletivos em 2017.

“Eles [A Prefeitura] simplesmente retiraram os ônibus da Baixa dos Sapateiros. Nós tínhamos uma Baixa dos Sapateiros bem dividida, são 2,5 quilômetros. Uma pesquisa do Sebrae identificou que 74% dos clientes daqui vêm de ônibus”, destacou o vice-presidente da Albasa, Elson Pastori. Os comerciantes não foram recebidos pelo secretário de Mobilidade, Fábio Mota.

\"\"

Em tempos de outrora
Lembranças como a do empresário Ivo Fucs, de 80 anos, que há 51 comanda a Loja Cecy, mostram que a Baixa dos Sapateiros já foi o principal centro comercial da cidade. “Aqui vendia tanto que não tinha tempo de ir ao banco fazer o depósito do dinheiro das vendas, o gerente vinha aqui buscar. Hoje tenho só cinco funcionários, o comércio mudou”, lembra o dono da loja que pode ser considerada uma das mais antigas de Salvador, com 110 anos de história.

TV METRO

Entrevistas

Roberta Caires

Em 14 de junho de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Mudança das linhas de ônibus decreta o fim da Baixa dos Sapateiros - Metro 1