Cidade

Alunos da Unifacs reclamam de aulas EAD e pedem suspensão do semestre

Estudantes alegam constantes falhas na conexão das atividades online

[Alunos da Unifacs reclamam de aulas EAD e pedem suspensão do semestre]
Foto : Divulgação

Por Lara Curcino no dia 28 de Março de 2020 ⋅ 15:21

Após a determinação do prefeito ACM Neto, no último dia 16, de suspender aulas das redes pública e privada de ensino devido ao coronavírus, faculdades da capital baiana adotaram o esquema Ensino à Distância para evitar atraso do cronograma, entre elas a Universidade Salvador (Unifacs). Alunos da instituição, no entanto, não estão satisfeitos com a execução do modelo adotado. 

Em e-mail enviado à Unifacs e obtido pelo Metro1, estudantes alegam constantes falhas na conexão durante as aulas e atividades online pela plataforma Blackboard, o que, segundo eles, “dificulta o entendimento e a absorção do conteúdo”. De acordo com a reclamação, “a falta é computada caso a aula não seja assistida”. Com isso, os alunos estariam correndo o risco de “perder o semestre” ou “até mesmo perder a bolsa de estudos”.

Os alunos pedem que a universidade suspenda imediatamente as aulas do semestre e, consequentemente, o valor pago pelos estudantes até que o ensino possa voltar a ser presencial. Ao Metro1, a Unifacs afirmou que "disponibilizou a melhor plataforma de acesso ao ensino utilizada no mundo" e que "não há justificativa para alteração do valor das mensalidades em função das aulas serem ministradas temporariamente de forma remota", além de garantir que "todas as aulas são gravadas e ficam disponíveis na ferramenta. Para validar a frequência, o estudante deverá participar de um fórum que, posteriormente, será registrado pelo professor". 

Notícias relacionadas

[Ceasa é desinfectado como prevenção ao coronavírus]
Cidade

Ceasa é desinfectado como prevenção ao coronavírus

Por Kamille Martinho no dia 25 de Maio de 2020 ⋅ 17:20 em Cidade

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico fez uma ação operacional preliminar, como o fechamento do Ceasa ao público, viabilizando a desocupação