Cidade

Rede de Saúde privada de Salvador deve entrar em colapso antes do setor público, avalia secretário

De acordo com Prates, setor particular de saúde do município já apresenta índice superior a 80% de ocupação

[Rede de Saúde privada de Salvador deve entrar em colapso antes do setor público, avalia secretário]
Foto : Max Haack/Secom/PMS

Por Matheus Simoni no dia 18 de Maio de 2020 ⋅ 09:52

O secretário municipal de Saúde, Léo Prates, demonstrou preocupação com os índices de ocupação no setor de saúde privado da capital baiana. Segundo o gestor, o setor está 80% ocupado diante da pandemia de coronavírus, o que acende um "sinal amarelo". No entanto, de acordo com Prates, o índice preocupa, mas não indica uma situação anterior a um colapso.

"Nos preocupa muito isso, há uma ocupação maior na rede privada do que na rede pública. Mantida a tendência de crescimento da rede privada, ela colapsaria, em tese, antes. E aí vários pacientes de planos de saúde e da rede privada teriam que migrar para a rede pública. Assim como temos acompanhando a superlotação em planos de saúde, há migração para sistema público. Acontece em determinados dias e não de forma contínua em alguns planos de saúde. Isso preocupa bastante", disse, em entrevista a José Eduardo no Jornal da Bahia no Ar da Rádio Metrópole hoje (18).

"Salvador deve ter uma ocupação de 70% dos leitos clínicos neste momento. Não temos uma situação de pré-colapso ou de colapso, mas nos preocupa bastante. Há uma projeção inclusive para um colapso do sistema de saúde ainda neste mês de maio", acrescentou. 

Ainda segundo o secretário, a principal preocupação da prefeitura de Salvador em meio ao crescimento da contaminação por Covid-19 é nas áreas carentes da cidade. "Temos algumas localidades onde o IDH é baixo e há oito ou nove pessoas morando em uma residência de 30 m². A gente estudou sempre como vencer esse vírus nessas regiões, onde o isolamento é impossível. Se alguém se contamina e vai morar em uma casa como essa, é muito complexo. O governador sugeriu e acatamos prontamente, ele está desenvolvendo hotéis para contaminados. Foi aprovado na Assembleia nesta semana passada e será aprovado na Câmara, tenho certeza, o benefício de R$ 500 para quem se isolar nesses hotéis para se isolar e evitar uma proliferação mais forte. São áreas que nos preocupam muito", declarou Léo Prates.

Notícias relacionadas