Cidade

'Minha mãe nos ensinou a abraçar a imperfeição', diz Marcelo Kertész

Depois de sair de Salvador, morar em São Paulo e agora nos Estados Unidos, ele comenta os principais desafios de se morar fora do país de origem

['Minha mãe nos ensinou a abraçar a imperfeição', diz Marcelo Kertész]
Foto :

Por Metro1 no dia 19 de Junho de 2020 ⋅ 14:18

Publicitário, designer gráfico e empresário, Marcelo Kertész brinca com a busca do sentido da vida, em entrevista ao pai, Mário Kertész, hoje (19), no Jornal da Metrópole no Ar da Rádio Metrópole. Nascido na Bahia e aos 45 anos, ele ironiza os quase 30 que tem de desvantagem. "Volta e meia a gente se telefona e fala: já descobriu o sentido da vida? Porque eu ainda não. E você teve trinta anos de frente, o que me dá um profundo pessimismo. Eu falo assim: se meu pai, uma pessoa mais inteligente e mais informada que eu, com 30 anos de frente  não sabe qual o sentido da vida, eu estou perdendo a esperança", diz. 

Depois de sair de Salvador, morar em São Paulo e agora nos Estados Unidos, ele comenta os principais desafios de se morar fora do país de origem. "É uma vida muito boa, diferente, essa readaptação profissional não é fácil, tive que começar do zero, aqui ninguém me conhece, e mesmo quem me conhece não me dá essa moral toda. É tudo novo e tem que ter coragem pra recomeçar. E isso eu acho que é um dos traços mais fortes que você e minha mãe passaram muito pra gente", afirma a MK. 

Citando a mãe, a artista plástica Eliana Kertész, ele reforça que o principal legado que ele tem é a disposição para abraçar a imperfeição. "A gente tem um olhar bom, acho que isso foi o que ela deixou pra gente, mas mais do que o talento, o que eu mais me orgulho e gosto e tenho como uma coisa que ela ensinou foi meio que abraçar o imperfeito. Quando comecei a trabalhar com design, direção de arte, eu era muito obcecado pelos detalhes. Algumas escolas de design defendem que a gente persiga o mínimo detalhe. eu hoje penso diferente, acho que às vezes tem uma perda de tempo enorme em coisas que nem vão ser percebidas e você deixa grandes oportunidades passarem", comenta. 

Notícias relacionadas