Domingo, 17 de outubro de 2021

Cultura

"Ele está solto e temos medo", diz filha de bailarino morto, após acusado deixar prisão

Ajax Vianna tinha 60 anos e estava há 38 anos no balé do Teatro Castro Alves

"Ele está solto e temos medo", diz filha de bailarino morto, após acusado deixar prisão

Foto: Divulgação

Por: Geovana Oliveira no dia 22 de setembro de 2021 às 13:51

A família do bailarino do Teatro Castro Alves (TCA), Ajax Vianna, assassinado no fim do ano passado pelo companheiro, recebeu uma má notícia na última segunda-feira (20). Há três dias para completar 9 meses da morte do bailarino, o acusado pelo seu assassinato foi solto.

O homem de 27 anos havia sido preso em flagrante no dia 23 de dezembro, quando Ajax, até então seu companheiro, foi encontrado morto dentro do apartamento onde morava, no bairro da Pituba. No momento, o homem está solto e espera pela primeira audiência do seu julgamento, que ocorrerá no dia 4 de outubro. 

A filha do bailarino, Marília Gabriela Viana, fala sobre a frustração da família. "É como se a gente não finalizasse o luto enquanto é preciso lutar pela justiça, e é muito cansativo. Agora que ele está solto, nós temos medo. Ele sabe onde a gente mora. No dia do assassinato, ele foi até a casa de uma tia minha, avisá-la que meu pai tinha passado mal", conta. 

Marília foi quem ajudou a polícia a prender o suspeito e também quem reconheceu o corpo do pai. "A gente não tem o direito de sofrer o luto. Eu sou filha única. Eu que cheguei naquele momento para prender o assassino de meu pai, eu tive que reconhecer o corpo dele no IML, é muita dor", desabafa.

Ajax Vianna tinha 60 anos e estava há 38 anos no balé do TCA. O bailarino entrou na companhia um ano após sua fundação, em 1982. De lá, não saiu mais. Segundo a Secretaria Estadual de Cultura (Secult), quando lamentou a morte de Ajax, ele ficou conhecido como “John Travolta da Bahia”, após ganhar 18 concursos de dança discoteca, entre os anos 1970 e 80.

"Ele está solto e temos medo", diz filha de bailarino morto, após acusado deixar prisão - Metro 1