Quinta-feira, 30 de junho de 2022

Cultura

O brasileiro perdeu a capacidade de se indignar, considera a escritora Patrícia Melo

A escritora está lançando seu décimo terceiro livro, "Menos que um", que já está à venda

O brasileiro perdeu a capacidade de se indignar, considera a escritora Patrícia Melo

Foto: Reprodução

Por: Maria Clara Andrade no dia 27 de maio de 2022 às 13:00

A escritora Patrícia Melo, em entrevista à Rádio Metropole, nesta sexta-feira (27), falou sobre a atual situação de violência e invisibilidade da população carente no Brasil. Categórica, Patrícia afirmou: "Em 60 anos de vida, eu nunca vi o Brasil assim". 

Para a escritora, "há uma saturação de violência na nossa cultura". Patrícia deu como exemplo o episódio que aconteceu na última quarta-feira (25), em que um homem foi morto asfixiado no porta-malas de uma viatura da Polícia Federal. "Um episódio similar nos Estados Unidos foi um gatilho para um movimento de indignação e de revolta imenso. Por que no brasil não acontece o mesmo?", questiona. 

Ao analisar este episódio, Patrícia considera que o brasileiro "recebe uma dose tão grande de violência na sua rotina, que ele tem o efeito de anestesia". Para a escritora, esse efeito faz com que a população perca a capacidade de se indignar. 

Patrícia Melo foi além e considerou que essa perda da capacidade de indignação é uma característica de uma distopia. "Distopia é isso. Enquanto há esperança, enquanto há espanto, enquanto há indignação, há movimento, há construção de futuro", afirmou.

Apesar disso, a escritora demonstrou otimismo com o futuro do país. Para Patrícia, é preciso construir uma esperança. "Esse Brasil feio que a gente está vendo, ele não é o Brasil que a gente conhece e nem é o Brasil do futuro. A gente vai construir um Brasil diferente disso".

A escritora está lançando seu décimo terceiro livro, "Menos que um", que já está à venda. 

O brasileiro perdeu a capacidade de se indignar, considera a escritora Patrícia Melo - Metro 1