Cultura

'Bolsonaro não tem um projeto de País', afirma Luciano Huck

O apresentador, porém, defende a soberania do voto popular: "Ele ganhou a eleição legitimamente. Não é hora de fazer oposição"

['Bolsonaro não tem um projeto de País', afirma Luciano Huck]
Foto : Divulgação

Por Metro1 no dia 10 de Dezembro de 2018 ⋅ 11:30

Luciano Huck declarou que não enxerga “um projeto de País” da parte do presidente eleito Jair Bolsonaro. Em entrevista ao jornal "Estado de SP", o apresentador avaliou, sobre as propostas: "Acho que ele não teve nem tempo. Ele ganhou a eleição agarrado no cangote, com 7 segundos de televisão, sem dinheiro... Ganhou na raça e na marra. Eu não acho que ele tenha um projeto de País, mas as pautas com as quais ele ganhou a eleição, ele vai poder atuar". 

Huck falou também o papel do superministro da Justiça na gestão. "O Sérgio Moro, de quem eu gosto e tenho muito respeito, acho que ele tem várias funções nesse governo. Primeiro, para quem colocava em xeque a democracia, sob o ponto de vista das coisas que o Bolsonaro disse no passado... o Sérgio Moro é um legalista. Quando você põe um legalista como ministro da Justiça com o poder que ele tem, está claro que as leis serão seguidas". 

Ele também defendeu a democracia, a soberania do voto popular e afirmou torcer pelo novo presidente: "A gente vive em uma democracia. Ele ganhou a eleição. A eleição está ganha. Ele vai fazer o governo dele com as coisas que ele acredita. Eu acho de verdade que, nesse momento, não é para fazer oposição. Eu acho que a gente tem que dar um voto de confiança para quem ganhou. A beleza da democracia é que a votação é individual, mas a responsabilidade pelo resultado é coletiva. Ele ganhou a eleição legitimamente. Não é hora de fazer oposição. É hora de ter diálogo, é hora de conversar".

Huck também reafirmou sua entrada na política: "Minhas intenções não mudaram. Minhas movimentações nesse último ano e meio nunca foram um projeto político, pessoal, uma coisa personalista no sentido de algo que eu estivesse fazendo ao meu favor. Desde o começo foi uma convocação geracional. E eu acho que ela segue sendo assim. Estou há 19 anos viajando o País muito intensamente – de todos os cantos e todos os recortes. Isso ninguém tira de mim. Você pode fazer mestrado em Harvard, mas isso você não vai aprender. E o que me incomoda, há algum tempo e de maneira bem franca, é a desigualdade que a gente tem no País. Então se a gente não tiver um projeto claro e bem desenhado de redução de desigualdades esse País vai ficar andando de lado pra sempre. Acho super legal as iniciativas do terceiro setor e de filantropia. Por outro lado, só quem vai ter o poder, de fato, de reduzir a desigualdade no País é o Estado. Quem toca o Estado é a política".

Notícias relacionadas

[MK entrevista Laurentino Gomes às 11h]
Cultura

MK entrevista Laurentino Gomes às 11h

Por Metro1 no dia 21 de Outubro de 2019 ⋅ 08:57 em Cultura

A entrevista pode ser ouvida através das ondas do rádio, na 101.3, ou ainda pelo aplicativo da Metrópole e também pelo youtube.com/portalmetro1