Cultura

'Problema do Brasil não é beijo gay, mas desigualdade social', diz Marco Nanini

O ator vive um enfermeiro homossexual e aparece de nu frontal, aos 71 anos, no filme "Greta", que estreia hoje (8)

['Problema do Brasil não é beijo gay, mas desigualdade social', diz Marco Nanini]
Foto : Divulgação

Por Metro1 no dia 10 de Outubro de 2019 ⋅ 08:45

Marco Nanini, que vive um enfermeiro gay no filme "Greta", longa de Armando Praça que estreia hoje (10), nos cinemas de todo o país, falou sobre o crescimento da chamada onda conservadora no Brasil. “Esse avanço do conservadorismo não é coisa nossa, tem ocorrido em todo o mundo. O que é nosso é piorar o que já é ruim”, disse o ator em entrevista ao Uol. 

"Greta" é inspirado livremente na peça de teatro "Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá", de Fernando Melo, lançada nos anos 1970. No filme, a melhor amiga da personagem de Nanini é uma mulher trans, uma performer interpretada por Denise Weinberg. Aos 71 anos, o ator que é conhecido por muito papéis na TV, incluindo o pai de família Lineu, aparece de nu frontal. Ele, no entanto, não considera sua atuação uma atitude "corajosa".

“Não sei se é o caso. Se eu pensasse assim, que seria corajoso, acho que travava. Seria sinal de que tinha medo. Os pobres, os velhos, os negros, os gays, as trans estão sendo massacrados todo dia. O problema do Brasil não é o beijo gay, é a desigualdade social”, disse. Sobre a nudez, ele brinca: "E gordo, né?".

E sobre as possíveis diferenças entre o patriarca d'A Grande Família e o sujeito que namora um jovem criminoso a quem facilita a fuga do hospital, Marco Nanini reflete: “Será tão diferente assim? É a mesma matéria humana. Fiz um com a mesma entrega do outro. Respeito meus personagens para que eles gostem de mim”.

Notícias relacionadas

['Rebanho' da mostra CowParade ocupa as ruas de Salvador]
Cultura

'Rebanho' da mostra CowParade ocupa as ruas de Salvador

Por Juliana Rodrigues no dia 09 de Outubro de 2019 ⋅ 14:48 em Cultura

Sessenta esculturas de vacas em tamanho real, feitas em fibra de vidro, ganharam cores e texturas e foram distribuídas por diversos pontos da cidade