Cultura

Roberto Mendes lamenta ataque a igreja de Santo Amaro: 'Jogaram (óleo) na nossa alma'

Ato de vandalismo ao templo religioso aconteceu no domingo (1º)

[Roberto Mendes lamenta ataque a igreja de Santo Amaro: 'Jogaram (óleo) na nossa alma']
Foto : Alexandre Galvão/ Metropress

Por Juliana Almirante no dia 06 de Dezembro de 2019 ⋅ 13:00

Natural de Santo Amaro, o cantor e compositor Roberto Mendes lamentou hoje (6), em entrevista à Rádio Metrópole, o ataque à Igreja de Nossa Senhora da Purificação, na cidade do Recôncavo Baiano.

"É um bem muito importante para a cidade a Igreja da Purificação. Ali está depositada a alma do santo-amarense. Não sei como (aconteceu). Jogaram (óleo) na nossa alma, na gente. É como se pegasse um santo-amarense e matasse. Você tirando a fé, você mata", disse o compositor, sobre o ato de vandalismo ao templo religioso que aconteceu no domingo (1º).

Ele esteve ao lado do também compositor e cantor baiano José Carlos Capinam, com quem faz uma apresentação amanhã (7) no Wish hotel da Bahia. O show é de comemoração de 20 anos de parceria da dupla. 

Mendes conta que a primeira parceira dos dois foi uma peça em celebração aos 500 anos do Brasil.

"Tinha 15 anos em 1967 quado ele ganhou festival e revoluncionou a cabeça da minha geração. Daí em diante, ele começoua governar meu campo de imaginação. Tive um encontro com ele em 2000, quando fizemos a nossa primeira canção, de depoimento pela paixão pelo Brasil", lembra.

Ele antecipa que o show de amanhã será sobre música e memória, em que além de tocar e cantar também vão falar sobre acontecimentos do nosso tempo. 

"Será um show sobre a música e a poesia revelada nas canções. Vamos tocar e falar de memória. Com nome de uma musica de Capinam chamada 'Flor da memória', que retrata bem o show", define. 

Notícias relacionadas

[Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020]
Cultura

Nação Zumbi anuncia álbum de inéditas para 2020

Por James Martins no dia 21 de Janeiro de 2020 ⋅ 12:05 em Cultura

O último disco da banda pernambucana tem apenas releituras de clássicos como "Refazenda", de Gilberto Gil, e "Ashes to Ashes", de David Bowie