Economia

Pesquisa CNI: 50% das indústrias já demitiram desde outubro de 2014

Levantamento inédito feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que 60% das companhias afirmaram que cortaram vagas ou adotaram medidas de redução do custo – como diminuição de turnos das fábricas e uso de férias coletivas.

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por Juliana Almirante no dia 08 de Julho de 2015 ⋅ 11:22

Levantamento inédito feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que 60% das companhias afirmaram que cortaram vagas ou adotaram medidas de redução do custo – como diminuição de turnos das fábricas e uso de férias coletivas. Foram 2.307 empresas entrevistadas. Entre elas, 50% disseram à entidade ter demitido funcionários de outubro de 2014 a abril deste ano.

Apesar dos cortes já feitos, 58% das empresas que demitiram ainda pretendem cortar mais vagas nos próximos meses. Entre as indústrias pesquisadas, 36% afirmam que terão que fazer alguma redução em seus gastos com folha de pagamento. A indústria também desacelera a atividade nas fábricas. De janeiro a maio deste ano, a queda na produção foi 6,9% comparado ao mesmo período de 2014.

Notícias relacionadas

[Desemprego de longo prazo cresce 42,4%]
Economia

Desemprego de longo prazo cresce 42,4%

Por Catarina Lopes no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 20:00 em Economia

Crescimento ocorreu entre 2015 e 2019; desemprego a longo prazo é o desemprego há mais de dois anos

[Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht]
Economia

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht

Por Alexandre Galvão no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 11:49 em Economia

Do total da dívida, R$ 83,6 bilhões seria o valor do passivo sujeito à recuperação, o que tornaria o processo a maior recuperação judicial da história do país, superando...

[Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial]
Economia

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial

Por Kamille Martinho no dia 17 de Junho de 2019 ⋅ 18:22 em Economia

A companhia informou que o processo envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de reestruturação e outros R$ 14,5 bilhões não passíveis