Economia

Com alta do dólar, Banco Central acumula prejuízos de R$ 57 bilhões

Com a alta da moeda norte-americana, até o mês de julho, o Banco Central (BC) teve prejuízos de R$ 57 bilhões tentando conter a alta do dólar. O valor equivale aos contratos de swap cambial realizados para amenizar a alta da moeda. Na operação, é realizada a venda de dólares no mercado futuro. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ Osul

Por Bárbara Gomes no dia 07 de Agosto de 2015 ⋅ 19:10

Com a alta da moeda norte-americana, até o mês de julho, o Banco Central (BC) teve prejuízos de R$ 57 bilhões tentando conter a alta do dólar. O valor equivale aos contratos de swap cambial realizados para amenizar a alta da moeda. Na operação, é realizada a venda de dólares no mercado futuro. 

Desde o final de 2014 a moeda norte-americana já teve uma valorização de 17% até junho de 2015, conforme publicação do Jornal Brasil. E, apenas em julho, a alta foi maior que 10%, com perdas do BC de R$ 23,9 bilhões. 

Apesar de ter encerrado em queda, nesta sexta-feira (7), o dólar ficou cotado em R$ 3,508. O Banco Central anunciou o aumento da oferta de swaps, contratos equivalentes e venda futura de dólares para amortizar a alta da moeda. 

Notícias relacionadas

[Desemprego de longo prazo cresce 42,4%]
Economia

Desemprego de longo prazo cresce 42,4%

Por Catarina Lopes no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 20:00 em Economia

Crescimento ocorreu entre 2015 e 2019; desemprego a longo prazo é o desemprego há mais de dois anos

[Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht]
Economia

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht

Por Alexandre Galvão no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 11:49 em Economia

Do total da dívida, R$ 83,6 bilhões seria o valor do passivo sujeito à recuperação, o que tornaria o processo a maior recuperação judicial da história do país, superando...

[Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial]
Economia

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial

Por Kamille Martinho no dia 17 de Junho de 2019 ⋅ 18:22 em Economia

A companhia informou que o processo envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de reestruturação e outros R$ 14,5 bilhões não passíveis