Economia

Brasil gasta 3,8% do PIB em saúde pública

Os dados do Banco Mundial estão no relatório Aspectos Fiscais da Saúde no Brasil

[Brasil gasta 3,8% do PIB em saúde pública]
Foto : Reprodução / Correio Nogueirense

Por Alexandre Galvão no dia 01 de Novembro de 2018 ⋅ 18:40

Os gastos públicos com saúde no Brasil equivaleram a 3,8% do Produto Interno Bruto (PIB), em 2015. O país está na 64ª posição em gastos com saúde, no ranking com 183 países, “ligeiramente superior” à média da América Latina e Caribe, que gasta 3,6% do PIB, e abaixo dos países desenvolvidos, que aplicam, em média, 6,5% do PIB em saúde.

Os dados do Banco Mundial estão no relatório Aspectos Fiscais da Saúde no Brasil.

“Constata-se que a despesa pública em saúde no Brasil está em patamar mediano em comparação com a média internacional, mas relativamente inferior ao volume de recursos empregados nos sistemas de saúde universais dos países europeus, como Reino Unido e Suécia, que apresentam boa qualidade”, diz o estudo, chamando atenção, ainda que, mesmo o país tendo um sistema de saúde público universal, o gasto privado em saúde no Brasil é superior ao gasto público, diferente do padrão dos países desenvolvidos.

O documento aponta que a relação entre a despesa federal primária com saúde e a receita corrente vem subindo continuamente, passando de 6,7% em 2008 para 8,3% em 2017. No ano passado, o gasto primário da União em saúde totalizou R$ 117,1 bilhões. Em proporção do PIB, esses gastos chegaram a 1,8% no ano passado.

Nos últimos dez anos, o aumento real acumulado, acima da inflação, de 31,9% de gastos em saúde também não foi suficiente para colocar o Brasil no patamar dos países desenvolvidos. De acordo com o relatório, o aumento dos custos dos serviços de saúde acima da inflação e o envelhecimento da população pressionam o aumento nos gastos com saúde.

Notícias relacionadas

[Latam cancela todos os voos saindo de Santiago]
Economia

Latam cancela todos os voos saindo de Santiago

Por Kamille Martinho no dia 21 de Outubro de 2019 ⋅ 14:40 em Economia

Cancelamento se dá em decorrência da onda de protestos violentos que atinge o país desde a última sexta-feira (18)