Economia

Receita recebeu 30,6 milhões de declarações do imposto de renda

Prazo terminou às 23h59 desta terça-feira (30).

[Receita recebeu 30,6 milhões de declarações do imposto de renda]
Foto :Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Por Aline Reis no dia 01 de Maio de 2019 ⋅ 07:00

Os brasileiros correram nas últimas horas, e cumpriram as expectativas da Receita Federal. O órgão esperava receber 30,5 milhões de declarações do Imposto de Renda 2019 – e os contribuintes enviaram 30.677.080 delas até as 23h59 desta terça-feira (30), prazo final para a entrega do documento sem multa.

Quem estava obrigado a entregar o documento e deixou de fazê-lo vai ter que esperar – a Receita interrompeu os recebimentos e não deve retomá-los antes de 2 de maio. Também vai ter que pagar multa de, no mínimo, R$ 165,74 – e no máximo de 20% do imposto devido.

Para quem entregou no prazo, é possível checar em 24 horas se a declaração foi processada. E se ela estiver já na fila de pagamentos, as informações prestadas estão coerentes com o banco de dados da Receita – indicando que a declaração, a princípio, não tem pendências (a Receita Federal tem até cinco anos para pedir esclarecimentos sobre as declarações).

A verificação pode ser feita pelo serviço Meu Imposto de Renda da Receita Federal. Para isso, é preciso gerar um código de acesso, a partir do número do CPF, data de nascimento e recibos de entrega das duas últimas declarações.
E para quem tem restituição a receber, a Receita começa a pagar em junho, em lotes mensais até dezembro.

Notícias relacionadas

[Setor de serviços cai 0,2% em agosto, diz IBGE]
Economia

Setor de serviços cai 0,2% em agosto, diz IBGE

Por Juliana Rodrigues no dia 11 de Outubro de 2019 ⋅ 11:20 em Economia

Índice representa o quinto resultado negativo registrado em 2019 e foi puxado pela queda nas atividades ligadas aos transportes

[Vendas do varejo caem -1,0% de julho para agosto na Bahia]
Economia

Vendas do varejo caem -1,0% de julho para agosto na Bahia

Por Juliana Almirante no dia 10 de Outubro de 2019 ⋅ 12:40 em Economia

Resultado foi alcançado na série livre de influências sazonais, depois do crescimento de 2,4% que havia sido registrado na passagem entre junho para julho