Economia

Comércio varejista recua 0,6% de março para abril, diz IBGE

Na comparação com abril do ano passado, no entanto, houve alta de 1,7%

[Comércio varejista recua 0,6% de março para abril, diz IBGE]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Juliana Rodrigues no dia 12 de Junho de 2019 ⋅ 12:00

O volume de vendas do comércio varejista no Brasil caiu 0,6% de março para abril de 2019, segundo dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda foi registrada depois de uma alta de 0,1% na passagem de fevereiro para março.

Embora tenha sido anotada, também, uma queda de 0,2% na média móvel trimestral, foram registradas altas de 1,7% na comparação com abril de 2018, 0,6% no acumulado do ano e de 1,4% no acumulado de 12 meses.

A queda de março para abril foi provocada por recuos em cinco das oito atividades pesquisadas pelo IBGE: hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,8%), tecidos, vestuário e calçados (-5,5%), artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (-0,7%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,4%) e equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-8%).

Notícias relacionadas

[Desemprego de longo prazo cresce 42,4%]
Economia

Desemprego de longo prazo cresce 42,4%

Por Catarina Lopes no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 20:00 em Economia

Crescimento ocorreu entre 2015 e 2019; desemprego a longo prazo é o desemprego há mais de dois anos

[Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht]
Economia

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Odebrecht

Por Alexandre Galvão no dia 18 de Junho de 2019 ⋅ 11:49 em Economia

Do total da dívida, R$ 83,6 bilhões seria o valor do passivo sujeito à recuperação, o que tornaria o processo a maior recuperação judicial da história do país, superando...

[Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial]
Economia

Odebrecht formaliza pedido de recuperação judicial

Por Kamille Martinho no dia 17 de Junho de 2019 ⋅ 18:22 em Economia

A companhia informou que o processo envolve R$ 51 bilhões de dívidas passíveis de reestruturação e outros R$ 14,5 bilhões não passíveis