Esportes

Guto Ferreira prega tática do silêncio em "guerra" contra o Vila Nova

O técnico do Bahia, Guto Ferreira, resolveu adotar a tática do silêncio na "guerra" diante do Vila Nova, na partida da próxima sexta-feira (4), no Serra Dourada, em Goiânia. Restando apenas cinco rodadas para o fim da Série B, o comandante tricolor prometeu força total para a partida, que pode sacramentar a volta do Bahia ao G-4 da competição. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Divulgação/Felipe Oliveira/ECB

Por Matheus Simoni no dia 02 de Novembro de 2016 ⋅ 14:15

O técnico do Bahia, Guto Ferreira, resolveu adotar a tática do silêncio na "guerra" diante do Vila Nova, na partida da próxima sexta-feira (4), no Serra Dourada, em Goiânia. Restando apenas cinco rodadas para o fim da Série B, o comandante tricolor prometeu força total para a partida, que pode sacramentar a volta do Bahia ao G-4 da competição.

Ao ser questionado sobre a presença de Moisés no grupo de jogadores que viajam com o time, Guto desconversou. "Fazendo uma brincadeira, essa informação quem tem que passar é o departamento médico. Não vou dar de bandeja para tu como vamos jogar, pois ainda tem muita água para passar debaixo da ponte", disse o treinador ao repórter. Segundo o tricolor, revelar informações sobre a equipe pode prejudicar o Esquadrão contra o adversário.

"Informação é de suma importância. Numa guerra, se você tem a informação de por onde estão vindo, com quantos homens, quanto tempo vão demorar para chegar, dá para montar uma emboscada. E é isso que eu não posso ceder para o adversário. Tenho que criar um ataque que possa surpreender e não ser surpreendido. É uma briga de estratégias", alertou. 

Notícias relacionadas

[Salvador pode ser sede única da Copa do Nordeste, confirma Neto ]
Esportes

Salvador pode ser sede única da Copa do Nordeste, confirma Neto 

Por Alexandre Galvão / João Brandão no dia 01 de Julho de 2020 ⋅ 16:39 em Esportes

O gestor afirmou ainda que as condições de alojamento de outros times estão em análise. “É possível que venhamos a sediar, sim. Porém não é decisão tomada”