Esportes

Jornalistas esportivas se unem contra o machismo: #deixaelatrabalhar

Mulheres jornalistas esportivas se posicionaram diante dos casos de assédio e machismo da profissão. Mais de 100 profissionais se uniram nessa semana em um movimento chamado “Deixa ela trabalhar” com o intuito de combater as agressões sofridas durante o trabalho. [Leia mais...]

[Jornalistas esportivas se unem contra o machismo: #deixaelatrabalhar]
Foto : Reprodução/ Facebook

Por Marina Hortélio no dia 27 de Março de 2018 ⋅ 16:41

Mulheres jornalistas esportivas se posicionaram diante dos casos de assédio e machismo enfrentados pela profissão. Mais de 100 profissionais se uniram nesta semana em um movimento chamado “Deixa ela trabalhar” com o intuito de combater as agressões sofridas durante o trabalho.

Segundo as profissionais, as situações de machismo não partem apenas da torcida, mas também de colegas de trabalho. Em entrevista ao UOL, algumas das profissionais relataram os xingamentos, as agressões e as dificuldades que sofrem por serem mulheres e trabalharem com o esporte, onde o número delas é reduzido.

A primeira ação do movimento foi publicada nas redes sociais no último domingo (25). O vídeo passou no telão do Maracanã, antes da partida entre Fluminense e Botafogo, e recebeu apoio da CBF e de diversos clubes e atletas via redes sociais.

Um dos casos mais recentes de assédio aconteceu com a repórter Bruna Dealtry, do Esporte Interativo, durante a cobertura de Vasco e Universidad de Chile pela Libertadores. A repórter foi beijada à força por um torcedor.

Notícias relacionadas