Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sábado, 20 de abril de 2024

Home

/

Notícias

/

Jornal da Metropole

/

Justiça frustra leilão de área verde da prefeitura, mas outros 27 terrenos ainda podem ser vendidos

Jornal Metropole

Justiça frustra leilão de área verde da prefeitura, mas outros 27 terrenos ainda podem ser vendidos

Quatro terrenos foram vendidos no leilão da última semana, somando R$ 8,69 milhões à gestão municipal

Justiça frustra leilão de área verde da prefeitura, mas outros 27 terrenos ainda podem ser vendidos

Foto: Metropress/Danilo Puridade

Por: Mariana Bamberg no dia 21 de março de 2024 às 12:38

Matéria publicada originalmente no Jornal Metropole em 21 de março de 2024

Poucas vezes, a palavra leilão circulou tanto em Salvador como na semana passada. Isso porque a prefeitura resolveu leiloar 13 terrenos e áreas verdes da cidade. O saldo foi de quatro vendas, R$ 8,69 milhões, duas suspensões e sete licitações sem interessados. Mas, além do montante, o episódio gerou discussão e desgaste à gestão municipal.

Tudo começou em dezembro, quando a Câmara de Vereadores aprovou um projeto de lei do Executivo que permitia a desafetação de 40 áreas públicas para colocá-los à venda. Assim foi feito, a prefeitura deu continuidade ao discurso de “quanto mais IPTU’s pagos, melhor” e um pacote de leilões com 13 terrenos foi aberto entre 7 e 15 de março. O auge do leilão aconteceria no último dia, com o mais cobiçado dos terrenos: uma área verde localizada em uma encosta no Corredor da Vitória. Com 6,69 mil m², o espaço tinha lance mínimo de R$ 10,9 milhões.

O Ministério Público Federal (MPF) pediu que a prefeitura desistisse. Mas só a Justiça, por meio da 6ª Vara Federal, conseguiu barrar o leilão. O juiz Marcel Peres atendeu ao pedido do Conselho de Arquitetura e Urbanismo da Bahia e suspendeu o negócio. A gestão recorreu, porém a decisão foi mantida. O conselho alega falta de estudos suficientes para embasar e comprovar o interesse público na venda. Questiona também o modelo presencial do leilão, já que a lei de licitações estabelece que ele seja preferencialmente presencial, garantindo maior concorrência.

A suspensão fez naufragar os planos da construtora OR, subsidiária da Odebrecht, que pretendia erguer um espigão de luxo na Área de Proteção Ambiental. As chances de o projeto permanecer debaixo d’água são grandes. O MPF ajuizou uma ação civil pública pedindo que a Justiça cancele definitivamente o leilão. Até a ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, foi chamada para intervir.

Entre os outros 12 terrenos colocados a leilão, um deles, em Stella Maris e estimado em R$ 2,35 milhões, também teve o negócio suspenso pela própria prefeitura. Outros quatro foram leiloados. Eles se juntam a 21 áreas também desafetadas e vendidas pela gestão municipal nos últimos cinco anos.

Entre esses quatro, o que teve maior lance foi uma área na Avenida Antonio Carlos Magalhães, ao lado do Hospital Teresa de Lisieux, vendido por R$ 5,85 milhões. O comprador foi Incorpora Brasil, responsável também pela compra de R$ 1,43 milhões de um terreno em Piatã. A construtora tem como sócia a Reviver Participações, que atua na gestão de prisões em três estados e tem como diretor o empresário Walter Tannus, presidente do Sindicato dos Donos de Postos de Combustíveis da Bahia. Os outros dois terrenos, em Moradas da Lagoa (R$ 85 mil) e Porto Seco Pirajá (R$ 1,33 milhão) foram arrematados pela Damrak.

A empresa tem como um dos sócios Teobaldo Costa, dono da rede Atakarejo, que já tentou a carreira política em 2020, se candidatando à prefeitura de Lauro de Freitas pelo Democratas. Ainda não há previsão para o leilão dos outros 27 terrrenos, mas duas áreas, no cobiçado Morro do Ipiranga e nos arredores do Clube Espanhol, já são destaques.