Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Promotora bolsonarista é transferida para área responsável por investigações sobre Flávio Bolsonaro

Carmen Eliza foi afastada do inquérito do assassinato da vereadora Marielle Franco em 2019 por sua parcialidade

[Promotora bolsonarista é transferida para área responsável por investigações sobre Flávio Bolsonaro]
Foto : Fernando Frazão/Agência Brasil

Por Adele Robichez no dia 02 de Março de 2021 ⋅ 07:39

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) transferiu para a Promotoria Eleitoral responsável pelas investigações sobre o senador Flávio Bolsonaro a promotora Carmen Eliza, afastada do inquérito do assassinato da vereadora Marielle Franco em 2019 por ter apoiado a campanha presidencial de Jair Bolsonaro (sem partido).

O caso apurado pela área se refere a supostos crimes de falsidade ideológica eleitoral quando Flávio Bolsonaro declarou bens para a campanha de deputado estadual em 2014. Segundo o advogado que fez a denúncia, os valores pagos não batem com os declarados de um apartamento na Zona Sul do Rio.

Após a Polícia Federal informar não haver indícios do crime, o então promotor do caso na Justiça Eleitoral pediu o arquivamento do caso, mas o juiz Flávio Itabaiana não aceitou e mandou o inquérito para o Ministério Público de Brasília, que decidiu que as investigações deveriam continuar. Uma nova promotora, então, foi designada, Ticiana Carpilovsky, que após pedir novas apurações à PF, se afastou para ocupar um posto na administração do MP.

A atual promotora nomeada para atuar no caso foi afastada do caso da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes justamente por sua parcialidade em relação ao pai do senador. Carmen aparece em diversas fotos nas suas redes sociais fazendo campanha para o presidente da República, Jair Bolsonaro. Na época, a Corregedoria-Geral do MP abriu um procedimento para analisar as postagens, mas o caso foi suspenso.

Notícias relacionadas