Justiça

Procuradoria diz que novo decreto ainda permite compra de fuzis

“O cenário é de inconstitucionalidade integral do Decreto", afirmam os procuradores

[Procuradoria diz que novo decreto ainda permite compra de fuzis]
Foto : Reprodução/Taurus

Por Catarina Lopes no dia 25 de Maio de 2019 ⋅ 17:40

A Procuradoria da República dos Direitos do Cidadão fez uma nova manifestação afirmando que o novo decreto de armas agravou as ilegalidades do anterior. Os procuradores afirmam que alguns fuzis, espingardas e carabinas continuam sendo de posse permitida por qualquer cidadão, podendo qualquer um ter em casa ou local de trabalho “armas de alto poder destrutivo”, só não sendo permitido sair com elas.

A nota técnica, assinada pelos procuradores Déborah Duprat e Marlon Alberto Weichert, aponta que a violação à Lei 10.826, de 2003, foi agravada, já que ainda permite a prática de tiro por menores de 18 anos, ampliou a quantidade de pessoas que podem ter porte de arma em razão da profissão, e que, no geral, “as ilegalidades se acumulam em praticamente todos os espaços regulados pelo decreto (posse, compra, registro, porte, tiro esportivo, munições etc)”.

As retificações no Decreto de Armas foram publicadas nesta quarta-feira (22), após várias contestações na Justiça e no Congresso quando o Decreto foi editado no início do mês para facilitar o porte de armas. Segundo o governo, o novo texto inclui “vedação expressa” à concessão de fuzis e carabinas ao cidadão comum.

Notícias relacionadas

[Justiça obriga TAP a aceitar bilhetes da Avianca ]
Justiça

Justiça obriga TAP a aceitar bilhetes da Avianca

Por Adelia Felix no dia 12 de Junho de 2019 ⋅ 17:11 em Justiça

Presidente da ProconsBrasil, Filipe Vieira, orienta passageiros que forem barrados por empresas-membro da aliança global Star Alliance

[TSE veta nepotismo judicial no TRE-BA]
Justiça

TSE veta nepotismo judicial no TRE-BA

Por Juliana Rodrigues no dia 12 de Junho de 2019 ⋅ 10:00 em Justiça

De acordo com o site O Antagonista, foram vetados os nomes de Rui Carlos Barata Lima Filho e de Carlos Henrique Magnavita Ramos Júnior, filhos de desembargadoras