Justiça

STF realiza audiência para discutir conflitos federativos fiscais dos estados e da União

Especialistas apresentam suas manifestações a partir das 9h30, na Sala de Sessões da Primeira Turma do STF

[STF realiza audiência para discutir conflitos federativos fiscais dos estados e da União]
Foto : Reprodução

Por Metro1 no dia 24 de Junho de 2019 ⋅ 22:04

Na terça-feira (25), a partir das 9h30, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), conduzirá audiência pública convocada para discutir os conflitos federativos relacionados ao bloqueio, pela União, de recursos dos estados-membros em decorrência da execução de contragarantias em contratos de empréstimos não quitados. A audiência acontece na Sala de Sessões da Primeira Turma do STF. 

O tema é objeto da Ação Cível Originária (ACO) 3233, da qual o ministro Fux é relator, ajuizada pelo Estado de Minas Gerais, que alega não ter conseguido saldar a parcela anual de um empréstimo contraído com o banco Credit Suisse em razão da penúria fiscal e da calamidade pública decorrente do rompimento de uma barragem da mineradora Vale, no Município de Brumadinho.

Em fevereiro, o ministro concedeu liminar para que a União se abstivesse de bloquear R$ 612,5 milhões das contas do estado e determinou a devolução de eventuais valores já bloqueados. Diversos estados vêm ajuizando ações semelhantes no STF.

A proposta da realização da audiência pública, segundo o relator, é abordar os diversos temas controvertidos na ACO e os desdobramentos sobre temas conexos relativos ao federalismo fiscal brasileiro, para que o STF possa ser municiado de informações imprescindíveis para a solução do caso.

O ministro ressalta que as exposições dos representantes da União e dos estados não se destinam a colher interpretações jurídicas, mas a esclarecer questões técnicas a respeito dos temas atinentes aos conflitos federativos de ordem financeira e fiscal discutidos nesse e em outros processos. Entre os tópicos relativos ao panorama fiscal da União e dos estados estão as dívidas dos entes federativos, os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar 101/2000) para despesas com pessoal e as operações de crédito e concessões de garantias.

Notícias relacionadas

[Ação tenta impedir nomeação de reitor da UFRB]
Justiça

Ação tenta impedir nomeação de reitor da UFRB

Por Juliana Almirante no dia 11 de Julho de 2019 ⋅ 10:00 em Justiça

Recurso protocolado no último dia 4 requer a nulidade da composição da lista tríplice e a nomeação de reitor temporário, se o posto ficar vago