Justiça

Dodge solicita acesso a inquérito que apurou investigação do caso Marielle

Vereadora Marielle Franco foi assassinada em março de 2018 e investigação ainda não apontou mandantes do crime

[Dodge solicita acesso a inquérito que apurou investigação do caso Marielle]
Foto : Marcelo Camargo/Ag. Brasil

Por Danielle Campos no dia 16 de Agosto de 2019 ⋅ 19:30

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, acionou o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e pediu acesso à integra do inquérito policial instaurado para apurar possíveis irregularidades na investigação, iniciada em novembro do ano passado, dos assassinatos da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Pedro Gomes, ocorridos em março de 2018.

Segundo nota emitida pelo Ministério Público Federal (MPF), o objetivo de Dodge é garantir o acesso à informações que viabilizem a instrução do Procedimento Preparatório de Incidente de Deslocamento de Competência (PPIDC), aberto no mês em que ocorreram os homicídios. O inquérito havia sido instaurado a pedido da própria procuradora, que fez o requerimento após ser informada da existência de indícios de obstrução nas investigações do caso, e depois foi impedida de ter acesso.

Raquel Dodge alegou que cabe exclusivamente ao procurador-geral da República verificar o pedido de deslocamento de competência, que só pode ser analisado "diante de evidências que foram coligidas no inquérito instaurado para verificar se havia desvio ou deficiência na investigação". Ela argumentou que quase um ano e meio já se passou e o caso se mantém em um "grave estado atual de incerteza em relação aos mandantes do crime" e que isso torna perene a conclusão de os assassinato foi um mero crime de ódio.

Notícias relacionadas

[Relator diz que votará a favor de Aras para a PGR]
Justiça

Relator diz que votará a favor de Aras para a PGR

Por Juliana Almirante no dia 17 de Setembro de 2019 ⋅ 07:25 em Justiça

Segundo Eduardo Braga (MDB-AM), o subprocurador baiano prometeu deixar o escritório Aras Advogados Associados e entregar a carteira profissional à OAB