Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Justiça determina que primo de Marcell Moraes se afaste de suposta amante do parlamentar

Segundo Vanessa Pontes, Lucas Carvalho lhe agrediu com “um murro, que atingiu sua face, cabeça e orelha resultando em hematomas”

[Justiça determina que primo de Marcell Moraes se afaste de suposta amante do parlamentar]
Foto : Catarina Lopes/Metropress

Por Metro1 no dia 28 de Novembro de 2019 ⋅ 19:42

A juíza Janete Fadul de Oliveira, titular da 3ª Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Comarca de Salvador, determinou nesta quinta-feira (28) que o primo e ex-assessor do deputado estadual Marcell Moraes (PSDB), Lucas Carvalho de Matos, mantenha distância mínima de 200 metros da ofendida da assessora e suposta amante do parlamentar, Vanessa Pontes.

O pedido foi formulado por Vanessa que relatou que se relacionou por três vezes com o primo de Marcell e  “não estava mais aguentando a chantagem dele de contar sobre a traição, caso não ficasse com ele”. À Justiça, Vanessa também afirmou que Lucas lhe agrediu com “um murro, que atingiu sua face, cabeça e orelha resultando em hematomas”. Frisou também que “Marcel, em nenhum momento, lhe agrediu, tampouco a Lucas, ressaltando que foi ela própria quem cortou o cabelo por raiva de ter traído Marcell, pessoa com quem se relacionava”.

Outras medidas protetivas que constam na decisão interlocutória obtida pelo Metro1 são “proibição de contato com a ofendida e testemunhas por qualquer meio de comunicação, a exemplo de telefonemas, mensagens eletrônicas de texto ou de voz, e-mail's, por meio de redes sociais, notadamente Facebook, Instagram, Telegram, Twiter, ou mesmo pelo aplicativo de celular WhatsApp” e também “proibição de frequentar locais em que saiba da presença da ofendida, principalmente sua residência e local de trabalho”. 

As medidas são válidas por 180 dias, contados a partir da intimação. Ao fim do prazo, Vanessa deve informar “se novos elementos advieram para complementação ou manutenção da decisão interlocutória”.

Notícias relacionadas