Justiça

MPF denuncia seis agentes da ditadura por assassinato de Vladimir Herzog

Herzog foi morto em uma cela do Destacamento de Operações e Informações, órgão de repressão do regime

[MPF denuncia seis agentes da ditadura por assassinato de Vladimir Herzog]
Foto : Vladimir Herzog / Divulgação

Por Luciana Freire no dia 17 de Março de 2020 ⋅ 19:00

 

O Ministério Público Federal denunciou hoje (17) seis agentes da ditadura militar pela morte do jornalista Vladimir Herzog, em outubro de 1975. Herzog foi morto em uma cela do Destacamento de Operações e Informações (DOI-Codi), órgão de repressão do regime.

Denúncia aponta como responsáveis o então chefe de comando da 2ª Seção do Estado-Maior do II Exército, José Barros Paes, o comandante do DOI-Codi à época, Audir Santos Maciel, e o ex-agente da unidade, Altair Casadei.

O MPF também apontou como responsáveis os médicos legistas Harry Shibata e Arildo de Toledo e o promotor aposentado Durval Moura Araújo.

"O crime teve a participação de outros agentes da repressão que, por já terem falecido ou não terem sido identificados ao longo das investigações, foram excluídos da acusação", diz o Ministério Público Federal.

Embora Herzog tenha sido assassinado em 1975, o Ministério Público Federal não considera que tenha ocorrido prescrição no caso, visto que se trata de crime contra a humanidade. A Lei da Anistia, portanto, não poderia ser aplicada neste caso.

Notícias relacionadas