Justiça

Decisão de Fux de mandar chefe do PCC para prisão 'adentra hipocrisia', diz Marco Aurélio

Marco Aurélio havia concedido soltura a André do Rap; ministro diz que cumpriu sua obrigação de aplicar trecho introduzido no Código de Processo Penal pelo pacote anticrime

[Decisão de Fux de mandar chefe do PCC para prisão 'adentra hipocrisia', diz Marco Aurélio]
Foto : Rosinei Coutinho/STF

Por Luciana Freire no dia 11 de Outubro de 2020 ⋅ 12:43

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, afirmou que o presidente da Corte, Luiz Fux, "adentrou no campo da hipocrisia" ao suspender a soltura de André de Oliveira Macedo, conhecido como André do Rap, um importante chefe do PCC — Primeiro Comando da Capital.

Para Marco Aurélio, a decisão do presidente da corte de revogar o habeas corpus concedido ao traficante é "péssima" para o Supremo.

"Sob minha ótica ele adentrou o campo da hipocrisia, jogando para turma, dando circo ao público, que quer vísceras. Pelo público nós nem julgaríamos, condenaríamos e estabeleceríamos pena de morte", disse o ministro ao jornal Folha de S.Paulo.

O magistrado diz que cumpriu sua obrigação de aplicar o trecho que prevê a necessidade de o juiz renovar a prisão preventiva a cada 90 dias, o que não ocorreu no caso.

Marco Aurélio diz que aplicou a legislação porque sua atuação é vinculada às normas legais. "Eu não crio critério de plantão e não sou justiceiro, não parto para o justiçamento", diz.

André de Oliveira Macedo deixou a penitenciária na manhã de ontem (10). A defesa de Macedo afirmou que ele iria de Presidente Venceslau para Guarujá (SP). Segundo o jornal Nacional, André do Rap foi seguido por investigadores, e foi, na verdade, para Maringá. Autoridades acreditam que ele fugiu para o Paraguai.

Notícias relacionadas