Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Home

/

Notícias

/

Metropolítica

/

Apesar de aliados, PSD e PT terão duelos kamikazes em cidades estratégicas do interior baiano

Metropolítica

Por Jairo Costa Júnior

Notícias exclusivas sobre política e os bastidores do poder

Apesar de aliados, PSD e PT terão duelos kamikazes em cidades estratégicas do interior baiano

Em Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro tinha apoio do governo, mas perdeu; Ilhéus e Dias D'Ávila estão na lista de duelos fratricidas entre os dois partidos

Apesar de aliados, PSD e PT terão duelos kamikazes em cidades estratégicas do interior baiano

Foto: Tácio Moreira/Metropress

Por: Jairo Costa Jr. no dia 11 de junho de 2024 às 10:48

Atualizado: no dia 11 de junho de 2024 às 11:20

PT e PSD ignoraram que compõem o eixo de sustentação do governo Jerônimo Rodrigues e entraram em confronto direto na disputa pelo comando de ao menos três cidades consideradas estratégicas para os planos do Palácio de Ondina. Além de Ilhéus, cuja sucessão terá de um lado a petista Adélia Pinheiro, ex-secretária estadual da Educação, e do outro o advogado Bento Lima, apoiado pelo prefeito Mário Alexandre (PSD), as legendas decidiram se digladiar também em Bom Jesus da Lapa, praça cobiçada no Oeste do estado. Lá, o racha é do criador contra a criatura. Ex-prefeito do município por oito anos, o deputado estadual Eures Ribeiro (PSD) enfrentará o antigo braço-direito, Fábio Nunes, pré-candidato à reeleição. Escolhido por Ribeiro para sucedê-lo em 2020, Nunes se filiou ao PT após romper com o padrinho.

Defenestrada pela patota
A disputa fratricida dos partidos mais expressivos do arco governista se repete em Dias D'Ávila, na Região Metropolitana de Salvador. Então pré-candidata do PT na cidade, Rose Requião migrou para o PSD em 4 de abril, na reta final da janela partidária. A mudança ocorreu após a sigla fechar as portas para ela em favor da ex-prefeita Jussara Márcia, que havia saído de cena em 2021, diante de dramas familiares. Sobretudo, a morte da mãe e do marido, o médico e vereador José Carlos, em plena pandemia da covid-19.

Samba de uma nota só 
No cabo de guerra entre PSD e PT, o segundo possui um trunfo que falta ao primeiro: a capacidade de se unir em meio a divergências. Prova disso é a corrida em Bom Jesus da Lapa. Embora Eures Ribeiro seja o nome ungido pelo senador Otto Alencar, presidente do PSD na Bahia, o deputado federal Charles Fernandes fez ouvidos de mercador para as preferências do comandante do próprio partido, engrossou o palanque de Fábio Nunes no lançamento da pré-candidatura do neopetista à reeleição, sábado passado (08), e de quebra declarou publicamente apoio ao ex-correligionário. 

Ação e reação
Vereadores aliados ao Palácio Thomé de Souza garantiram que a guerra entre dois integrantes da bancada na Câmara Municipal - Anderson Ninho (PDT) e Kiki Bispo (União Brasil) - foi deflagrada pela decisão do pedetista de invadir o território do colega. No caso, Castelo Branco, um dos principais redutos eleitorais de Kiki. Depois que Ninho arrombou a cerca do vizinho, relataram, o líder do governo na Casa se sentiu livre, leve e solto para fazer o mesmo em Dom Avelar, área na qual o vereador do PDT tem a maior base de votos. A briga quase termina em troca de sopapos na sessão de segunda-feira (10), quando Ninho disparou ofensas a Kiki no meio do plenário e precisou ser contido pela turma do deixa disso.

Bala perdida
Convidado da quinta rodada de sabatinas realizadas pela Rádio Metropole com os vereadores da capital, Daniel Alves (PSDB) contou que o duelo de Kiki Bispo com Anderson Ninho sobrou para ele, mesmo sem ter nada a ver com o quiproquó. Em conversa com a coluna nos bastidores da entrevista, o tucano disse que havia engatilhado na prefeitura a reforma de um campo de futebol em Dom Avelar, a pedido de um líder comunitário do bairro onde obteve cerca de 300 votos em 2020. Entretanto, o prefeito Bruno Reis (União Brasil) afirmou que não seria possível atendê-lo no momento, sob pena de alimentar ainda mais a fúria de Ninho.

Momento de DR
Prestes a embarcar para Genebra, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou esforços concentrados do ministro da Casa Civil, Rui Costa, e do líder da bancada governista no Senado, Jaques Wagner, para ajudar a corrigir dissonâncias na articulação do Planalto junto ao Congresso Nacional. Em encontro realizado na manhã de segunda com a coordenação política do governo, Lula alertou que o alinhamento dos dois petistas baianos é fundamental para evitar derrotas caras a ele. Lista da qual faz parte a recente derrubada de uma série de vetos presidenciais. Sobretudo, o que restaurava o direito à saidinha temporária para presos do regime semiaberto. 

Paz, amor e união
Conforme apurou a Metropolítica, tanto Rui quanto Wagner asseguraram ao chefe que trabalharão em sintonia total para desarmar bombas na pauta do Parlamento. Em especial, propostas que possam causar impactos fiscais ou afastar segmentos com poder de influenciar o jogo em 2026. Para afinar a orquestra, ficou pactuado que os temas de alta relevância serão ajustados antes com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, presente ao encontro.       

Último dos moicanos
Convocado em 2018 para o alto clero da Procuradoria-Geral da República (PGR) ao longo da gestão do baiano Augusto Aras, o promotor de justiça João Paulo Schoucair, quadro em ascensão no Ministério Público do Estado (MP), foi dispensado das funções em Brasília. De acordo com ato do número dois do órgão, Hindemburgo Chateaubriand Filho, a saída se deu por solicitação de Schoucair. Mas a rádio corredor da PGR propaga a versão de que ele era o único membro da tropa de elite de Aras mantido no andar de cima da procuradoria.

Meia-lua inteira
Historiadora formada na Ufba, doutora em Educação pela USP, referência em estudos sobre a herança dos povos bantos no Brasil e capoeirista destacada do estilo Angola, a feirense Rosângela Costa Araújo, mais conhecida como Mestra Janja, foi nomeada pelo Iphan para a comissão julgadora do Concurso Sílvio Romero, destinado a premiar monografias focadas em folclore e cultura popular. Com isso, fará parte do restrito grupo de cinco personalidades acadêmicas de todo o Brasil selecionadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional para avaliar os trabalhos.