Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mundo

EUA: Quem é Marjorie Taylor Greene, republicana que apoiou a execução de políticos democratas

A congressista apoia o movimento QAnon, uma teoria conspiratória; além de defender que houve fraude nas eleições presidenciais que levaram Biden à presidência

[EUA: Quem é Marjorie Taylor Greene, republicana que apoiou a execução de políticos democratas]
Foto : SAUL LOEB/ Getty Images

Por Luciana Freire no dia 04 de Fevereiro de 2021 ⋅ 18:40

A congressista do momento no Partido Republicano chama-se Marjorie Taylor Greene, deputada federal eleita pela Geórgia. Ela é seguidora do movimento QAnon, uma teoria conspiratória que afirma haver uma elite pedófila e canibal — comandada por figuras do Partido Democrata, da ONU, da União Europeia, das gigantes de tecnologia e de grande imprensa — e defende que somente Trump pode salvar os EUA e o mundo desses canibais pedófilos.

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos alerta para a ameaça crescente de extremistas domésticos violentos, encorajados pelas falsas alegações de fraude nas eleições que tornaram Joe Biden presidente. Marjorie Taylor Greene poderia ser enquadrada nesse perfil. Além das teorias citadas, entre 2018 e 2019, ela apoiou a execução de políticos democratas.

Com menos de um mês da presença de Greene na Câmara dos Representantes, já foi deflagrado um movimento de democratas para afastá-la do cargo, pelo papel que sua retórica inflamada sobre a fraude teve na invasão do Capitólio. Ela condenou a violência do ataque, embora espalhando novas mentiras: responsabilizou terroristas Antifa e políticos democratas pela insurreição.

O líder da minoria republicana da Câmara, Kevin McCarthy, considerou ofensivas as declarações, mas limitou-se a dizer que teria uma conversa com a deputada.

As informações são do site G1 e da coluna do jornalista Guga Chacra, no jornal O Globo.

Notícias relacionadas