Mundo

Professora relata no Senado dos EUA assédio de indicado à Suprema Corte; juiz nega

Brett Kavanaugh negou as acusações e afirmou que o nome dele foi "destruído" e classificou o episódio como "desgraça nacional".

[Professora relata no Senado dos EUA assédio de indicado à Suprema Corte; juiz nega]
Foto : Win McNamee/Getty Images

Por Marina Hortélio no dia 27 de Setembro de 2018 ⋅ 19:40

Frente ao Senado dos Estados Unidos, a professora de psicologia Christine Blasey Ford afirmou hoje (27) que foi agarrada pelo juiz Brett Kavanaugh, que tentou retirar sua roupa, durante. Ela disse ainda que acreditou que Kavanaugh tinha a intenção de estuprá-la. Na época do caso, ela tinha 15 anos e ele tinha 17.

Kavanaugh foi indicado pelo presidente americano Donald Trump para assumir uma vaga na Suprema Corte dos EUA.

No depoimento ao Senado, Ford reiterou o que já havia contado para o jornal The Washington Post. De acordo com ela, o ataque, realizado por Kavanaugh e o amigo Mark Judge, ocorreu no subúrbio de Maryland, no início dos anos 1980.

Ele teria sido imobilizada pelos dois amigos bêbado. Ford contou que resistiu ao ato e que, como Kavanaugh estava bêbado e ela estava de maiô, o juiz indicado por Trump teve dificuldade para despi-la.

No depoimento dele ao Senado, o magistrado negou as acusações e afirmou que o nome dele foi "destruído" e classificou o episódio como "desgraça nacional".

Notícias relacionadas