Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Mundo

Embaixador brasileiro contraria Constituição e prega religião como política de Estado

Fabio Mendes Marzano também defendeu que liberdade religiosa também precisa incluir a possibilidade de converter aqueles que não têm religião.

[Embaixador brasileiro contraria Constituição e prega religião como política de Estado ]
Foto : Divulgação/ Itamaraty

Por Juliana Almirante no dia 28 de Novembro de 2019 ⋅ 13:00

O secretário de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania, embaixador Fabio Mendes Marzano, afirmou, durante discurso feito ontem (27), na conferência internacional organizada pelo governo de Viktor Orban, na Hungria, que uma das principais mudanças conduzidas pelo governo Bolsonaro foi exatamente colocar a religião no processo de formulação de políticas no Brasil.

De acordo com a coluna de Jamil Chade, do portal UOL, o evento tem o objetivo combater a perseguição sofrida por cristãos pelo mundo. 

"No coração da família, que é a principal célula sobre a qual qualquer sociedade é construída, a religião nos permite conectar com a essência espiritual da humanidade. Uma das principais mudanças conduzidas pelo governo Bolsonaro foi exatamente colocar a religião no processo de formulação de políticas no Brasil”, declarou.

Segundo ele, a liberdade religiosa também precisa incluir a possibilidade de converter aqueles que não têm religião.

"Portanto, o que temos de fazer é estressar que a liberdade religiosa não é somente o direito de praticar uma religião. Mas o direito de se manifestar, debater e defender a fé. E mesmo de tentar converter aqueles que não têm uma religião. Claro, não pela força. Mas os mostrando a verdade, a verdade real", declarou. 

Apesar da declaração do embaixador, o caráter laico de um Estado implica que leis, instituições e políticas públicas não podem ser definidas com base em uma religião. Nenhuma crença pode ser privilegiada e o espaço à descrença também deve ser garantido e respeitado. 

Notícias relacionadas