Mundo

Vistos negados pelos EUA para brasileiros aumentam 45% em um ano

Também cresce o número de brasileiros detidos pela imigração americana ao tentar entrar irregularmente no país

[Vistos negados pelos EUA para brasileiros aumentam 45% em um ano]
Foto : Pixabay

Por Luciana Freire no dia 21 de Fevereiro de 2020 ⋅ 19:30

Entre outubro de 2018 e setembro de 2019 o número de vistos de turismo negados pelos Estados Unidos para brasileiros teve aumento significativo, o maior índice dos últimos 14 anos. Foi um crescimento de mais de 45% na comparação com a taxa do ano fiscal anterior, entre outubro de 2017 e setembro de 2018, chegando a 18,5%, de acordo com dados do Departamento de Estado.

No mesmo período, o número de brasileiros detidos pela imigração americana ao tentar entrar irregularmente no país também cresceu exponencialmente, chegando a 17,9 mil presos nos centros de detenção do departamento de imigração.

O Itamaraty estima que cerca de 1,7 milhão de brasileiros vivam nos Estados Unidos hoje, entre regularizados e aqueles que estão lá irregularmente.  No ano passado, o governo brasileiro voltou a aceitar deportações em massa, em voos pagos pelo governo americano que trazem dezenas de pessoas ao mesmo tempo.

O endurecimento da política migratória do governo americano não atingiu apenas o Brasil, o movimento é o mesmo em praticamente todos os países em desenvolvimento e emergentes.

Notícias relacionadas

[Acaba o confinamento em Wuhan, primeiro epicentro da Covid-19]
Mundo

Acaba o confinamento em Wuhan, primeiro epicentro da Covid-19

Por Kamille Martinho no dia 07 de Abril de 2020 ⋅ 17:00 em Mundo

Apesar dos 11 milhões de residentes poderem sair sem autorização especial, eles precisam ter um aplicativo de telefone que carrega dados sobre sua saúde e seus movimentos

[China registra 1º dia sem mortes por Covid-19]
Mundo

China registra 1º dia sem mortes por Covid-19

Por Juliana Almirante no dia 07 de Abril de 2020 ⋅ 07:20 em Mundo

Situação é inédita desde o início da publicação de estatísticas sobre a epidemia do coronavírus em janeiro