Mundo

Antes 'inspiração' para Bolsonaro, Suécia adota agora medidas mais rígidas contra Covid-19

O país restringiu reuniões a oito pessoas, no máximo

[Antes 'inspiração' para Bolsonaro, Suécia adota agora medidas mais rígidas contra Covid-19]
Foto : Roberto Stuckert Filho/ PR

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Novembro de 2020 ⋅ 13:09

Um dos poucos países da Europa que não adotou medidas rígidas contra o coronavírus, a Suécia começa a passar por uma segunda onda de infecções. A nação estrangeira chegou a ser citada pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, como um exemplo

"Se dependesse de mim, quase nada teria sido fechado, a exemplo da Suécia", afirmou, em maio deste ano.  Agora, a Suécia resolveu mudar de estratégia e restringiu reuniões a oito pessoas, no máximo. 

"Esta é a nova norma para toda a sociedade", disse o primeiro-ministro Stefan Lofven em entrevista coletiva. "Não vá a academias, não vá a bibliotecas, não organize jantares. Cancele".

Antes da nova normativa, os encontros poderiam acontecer com até 300 pessoas. 

Esta é a segunda restrição nesse sentido decretada em menos de duas semanas pelo governo sueco. No início do mês, o governo já havia determinado a proibição da venda de álcool por estabelecimentos a partir de 22h, além do fechamento de bares, restaurantes e boates a partir de 22h30.

Desde o início da pandemia, a Suécia acumulou 177.355 casos de Covid-19 e registrou 6.164 mortes. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes é de 60,53, similar à da França (63,60), um dos países europeus que mais acumula mortes em números absolutos. A Suécia também tem se saído muito pior que seus vizinhos escandinavos. A Noruega, por exemplo, tem uma taxa de mortalidade de 5,53. A Dinamarca, de 13,11.

Notícias relacionadas

[Rússia começa a vacinar população contra Covid-19]
Mundo

Rússia começa a vacinar população contra Covid-19

Por Metro1 no dia 27 de Novembro de 2020 ⋅ 12:29 em Mundo

No total, mais de 400 mil soldados serão vacinados nesta campanha, lançada por determinação do presidente Vladimir Putin, disse Shoigu, citado no comunicado do Exército r...