Polícia

Secretário diz que Anuário da Segurança Pública presta "desserviço" à população

O secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Barbosa, comentou a divulgação do 11º Anuário de Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública na última segunda-feira (30), que não teve a utilização de dados fornecidos pelo órgão baiano. [Leia mais...]

[Secretário diz que Anuário da Segurança Pública presta
Foto : Alberto Maraux/SSP

Por Matheus Simoni e Gabriel Nascimento no dia 31 de Outubro de 2017 ⋅ 16:59

O secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Barbosa, comentou a divulgação do 11º Anuário de Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública na última segunda-feira (30), que não teve a utilização de dados fornecidos pelo órgão baiano de forma integral. Em entrevista coletiva nesta terça-feira (31), no Centro de Operações e Inteligência de Segurança Pública 2 de Julho, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), ele afirmou que o levantamento não esclarece para a população os reais problemas da violência no país, prestando um ʹdesserviçoʹ aos cidadãos.

Questionado pelo Metro1, ele confirmou que a finalidade do estudo pode ser meramente política. "Esse desserviço eu acredito que um tipo de informação como essa pode fazer. Os cidadãos deste estado e nós queremos ver a Segurança Pública como uma política prioritária nacional. Obviamente vamos ter questionamentos políticos. Mas se não estivermos unidos todos para transformar a Segurança Pública em pauta nacional, ela vai ser tratada de forma midiática e para ataques políticos", disse o secretário.

Ainda segundo Barbosa, alguns estados já questionam a metodologia adotada pelo Fórum. "Qual o interesse de divulgar que tivemos redução de investimento e colocar a Bahia como primeiro em número geral de homicídios, sendo que os outros estados têm bases diferentes das nossas? A gente quer trabalhar. Não queremos ficar parando duas vezes no ano para ficar explicando para todas as pessoas que estes dados têm que ser usados com parcimônia, com ressalvas. Porque, caso contrário, ficam se transformando em verdades absolutas", declarou, ressaltando a importância de se adotar uma forma única para divulgação dessas informações, consideradas pelo secretário como fundamentais para o enfrentamento da violência no Brasil.

"A imprensa tem um papel fundamental nisso. Os índices de homicídios são alarmantes no país e têm que se tornar pauta nacional, mas não da forma como está sendo feita. Está gerando interesses para alguns setores e alguns institutos. Está desacreditando o trabalho de milhares de pessoas que estão fazendo o trabalho da forma como deve ser feito em contrapartida a outros que não realizam da mesma forma e não têm os números expostos da forma como deve ser feita", afirmou Barbosa.

Notícias relacionadas