Política

Família de Beto Freitas critica uso político dos protestos pela sua morte

O assassinato gerou uma onda de indignação no país, onde manifestações pelo Dia da Consciência Negra se tornaram protestos pela morte

[Família de Beto Freitas critica uso político dos protestos pela sua morte]
Foto : Reprodução

Por Luciana Freire no dia 22 de Novembro de 2020 ⋅ 11:00

 

O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, 40, homem negro espancado até a morte por seguranças em uma unidade do Carrefour em Porto Alegre, gerou uma onda de indignação no país, onde manifestações pelo Dia da Consciência Negra se tornaram protestos pela morte.

Mas, para familiares e amigos de Beto ou Nego Beto, entidades políticas e sociais tentaram se apropriar do ato.

A filha mais velha de Beto, Thais Freitas contou, ao jornal Folha de S.Paulo, que viu pessoas distribuírem panfletos de políticos para os manifestantes. Durante o ato, entidades como a CUT e pessoas filiadas a partidos entoaram palavras de ordem contra o racismo e também contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Não foram todos", diz. Ela conta que Matheus Gomes, eleito neste ano vereador em Porto Alegre pelo PSOL, foi atencioso e a tem acompanhado de perto. "Ele envia mensagens perguntando se estou bem. Não tenho do que reclamar", conta.

Matheus Gomes disse ao jornal que Thais e amigos de Beto têm razão em sua crítica e diz que orientou todos aqueles que conhecia e que foram ao ato para não levarem bandeiras ou faixas.

Notícias relacionadas