Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Fala de Bolsonaro sobre 2022 'mostra que campanha já começou', avalia jornalista

Segundo Zanini, presidente conseguiu unificar base de apoio no Congresso

[Fala de Bolsonaro sobre 2022 'mostra que campanha já começou', avalia jornalista]
Foto : Metropress

Por Matheus Simoni no dia 04 de Fevereiro de 2021 ⋅ 11:24

O jornalista Folha de S. Paulo e autor do blog Saída Pela Direita, Fábio Zanini, comentou a fala de Jair Bolsonaro na abertura dos trabalhos no Congresso Nacional nesta semana. Ao tentar iniciar a leitura da mensagem aos parlamentares, ele foi vaiado e chamado de "fascista". Bolsonaro reagiu e disse: "Nos vemos em 2022".

Em entrevista a Mário Kertész hoje (4), na Rádio Metrópole, Zanini afirmou que a declaração do presidente é um recado de que a campanha eleitoral para a presidência da República já começou.

"Essa frase de ontem do Bolsonaro no Congresso, 'nos vemos em 2022', mostra que a campanha já começou. Já está rolando. Agora, com a definição da Câmara e do Senado, está destravado o processo de eleição e campanha que vai se desenrolar nos próximos dois anos. Bolsonaro teve uma vitória expressiva na Câmara e no Senado, isso é inegável. Ele consolidou sua base política, embora a gente saiba que o Centrão sempre enfia a faca no pescoço do presidente da República porque gosta de verbas e cargos. É aquele apoio tenso", disse Zanini.

"Mas o fato é de que o presidente Bolsonaro finalmente, entrando na segunda metade do seu mandato, tem uma base política no Congresso e consegue um fôlego político importante. A possibilidade de abertura de um processo de impeachment está suspensa, no mínimo, pelos próximos meses. Com a perspectiva de aprovação de algumas reformas econômicas, um horizonte possível. Você consegue vislumbrar um caminho mais tranquilo para Bolsonaro nos próximos anos. Agora, nunca é possível dizer que vai ser tranquilo porque o presidente se chama Jair Bolsonaro. Ele gosta da atenção e do embate, do confronto. A situação econômica ainda é complicada e tende a se agravar", acrescentou.

Notícias relacionadas