Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Guedes planeja aprovar auxílio emergencial em 3 semanas

Benefício terá ao menos três parcelas de R$ 250

[Guedes planeja aprovar auxílio emergencial em 3 semanas]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Por Metro1 no dia 15 de Fevereiro de 2021 ⋅ 13:20

Após os presidentes da Câmara, do Senado e ministros chegarem a um consenso, o governo tentará aprovar em até três semanas a proposta que vai viabilizar o pagamento da nova rodada do auxílio emergencial.

De acordo com o Estadão, esse é o prazo com o qual a equipe econômica trabalha para a aprovação do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, chama de “novo marco fiscal”. A medida seria composta pela inclusão, na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do pacto federativo, de uma cláusula de calamidade pública (uma espécie de PEC de Orçamento de Guerra, semelhante à aprovada no ano passado).

Com a nova cláusula, será possível retirar os gastos do auxílio emergencial de regras fiscais, como o teto de despesas, mas seriam criados condicionantes, como medidas automáticas de contenção de gastos.

Na sexta-feira (12), após a reunião com Guedes que selou o acordo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse que apresentaria ao colégio de líderes uma proposta do texto. Para o governo, a medida deverá ser aprovada pelo Congresso Nacional até o início de março. Com isso, a expectativa é que a primeira parcela do novo auxílio seja paga ainda no próximo mês.

Outras duas parcelas estão previstas para abril e maio, e possivelmente outra em junho, a depender da evolução da pandemia. As parcelas deverão ser de R$ 250, a um custo total de R$ 30 bilhões.

Notícias relacionadas