Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Toffoli diz que inquérito das fake news identificou 'financiamento internacional' em campanhas contra instituições

Ex-presidente do STF declarou que investigação vai dar continuidade ao "aprofundamento desses dados"

[Toffoli diz que inquérito das fake news identificou 'financiamento internacional' em campanhas contra instituições]
Foto : Fellipe Sampaio/SCO/STF

Por Matheus Simoni no dia 22 de Fevereiro de 2021 ⋅ 08:20

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli afirmou que o inquérito das fake news, que tem como relator o ministro Alexandre de Moraes, identificou "financiamento internacional a atores que usam as redes sociais para fazer campanhas contra as instituições brasileiras, em especial o STF e o Congresso Nacional". A fala foi feita durante entrevista do magistrado ao programa Canal Livre, da TV Bandeirantes, exibido na madrugada de hoje (22). Segundo o ministro, a investigação vai dar continuidade ao "aprofundamento desses dados", sob comando do ministro Alexandre. 

Na entrevista, Toffoli classificou a descoberta como "gravíssima". Para ele, a história do Brasil já mostrou que financiamentos a grupos radicais, "seja de extrema direita ou seja de extrema esquerda, vem para criar o caos e desestabilizar a democracia em nosso País". O ministrou acrescentou que não poderia das mais detalhes sobre a investigação.

“Não é um grupo de malucos. Há uma organização por trás disso, que ataca inclusive a imprensa tradicional e séria. Temos que estar atentos e o inquérito está em excelentes mãos”, ressaltou.

O inquérito sobre as fake news foi aberto em 2019 como uma resposta do STF às crescentes críticas e ataques sofridos nas redes sociais. Desde o início, porém, a apuração foi contestada pelo meio jurídico e político por ter sido instaurada de ofício por Toffoli, então presidente da corte, sem provocação da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Notícias relacionadas