Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

Bolsonaro envia Ernesto e comitiva a Israel por spray 'milagroso', que ele diz não saber o que é

Declaração foi dada no dia em que o país registrou o maior número diário de mortes em toda a pandemia de Covid-19

[Bolsonaro envia Ernesto e comitiva a Israel por spray 'milagroso', que ele diz não saber o que é]
Foto : Marcos Corrêa/PR

Por Juliana Rodrigues no dia 03 de Março de 2021 ⋅ 08:40

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse ontem (2) que uma comitiva de dez pessoas, chefiada pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, embarca para Israel no sábado (6) em busca de um spray que ele afirma não saber o que é e que "parece um produto milagroso".

Ontem, o Brasil registrou 1.726 mortes por Covid-19, o maior número diário de vidas perdidas de toda a pandemia. O país também vive falta de leitos e índice baixo de vacinação, com apenas 3,36% da população vacinada com a primeira dose.

Atualmente, 35 pesquisas em humanos avaliam 22 possibilidades de drogas contra Covid-19 aplicadas por inalação feita em hospital. O estudo de Israel com o spray nasal EXO-CD24, citado pelo presidente, é um dos mais iniciais entre os registros de pesquisas clínicas.

"O que que é este spray? Não sei. Mas o que acontece: este produto, há dez anos, estava sendo investigado, estava sendo estudado em Israel para outro tipo de vírus, certo? E usou-se lá em 30 [pessoas] e em 29 deu certo em poucos dias. O último demorou um pouco mais, mas também se curou", disse, em conversa com apoiadores transmitida por um canal simpático ao presidente na internet. "Então, parece até que é um produto milagroso. Parece. Mas nós vamos atrás disso. Onde tiver possibilidade de nós salvarmos vidas, nós não deixaremos passar esta oportunidade", continuou.

O spray é mais uma aposta de Bolsonaro em produtos sem eficácia comprovada pela ciência ou comprovadamente ineficazes. Durante a pandemia, o presidente incentivou o uso de cloroquina e ivermectina contra a Covid-19.

Notícias relacionadas