Política

Operação Zelotes: Dilma e Mercadante têm até o dia 5 para se pronunciarem

A presidente Dilma Rousseff e o ministro Aloizio Mercadante (Educação) terão até o dia 5 de fevereiro, para se manifestarem, por escrito ou presencialmente, sobre o suposto esquema de venda de medidas provisórias, na ação penal da Operação Zelotes, de acordo com determinação do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. [Leia mais...]

[Operação Zelotes: Dilma e Mercadante têm até o dia 5 para se pronunciarem]
Foto : Divulgação

Por Jessica Galvão no dia 26 de Janeiro de 2016 ⋅ 10:41

A presidente Dilma Rousseff e o ministro Aloizio Mercadante (Educação) terão até o dia 5 de fevereiro, para se manifestarem, por escrito ou presencialmente, sobre o suposto esquema de venda de medidas provisórias, na ação penal da Operação Zelotes, de acordo com determinação do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília.

Também foram chamadas a depor como testemunhas de defesa de réus presos na Zelotes os senadores Walter Pinheiro (PT-BA), Humberto Costa (PT-PE), José Agripino (DEM-RN) e Tasso Jereissati (PSDB-CE); o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB); os deputados  José Carlos Aleluia (DEM-BA), Alexandre Baldy (PSDB-GO) e José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara; e o prefeito de Catalão (GO), Jardel Sebba.

Eles poderão enviar à 10 ª Vara Federal de Brasília documento dizendo simplesmente que não têm nada a declarar sobre o tema, assim como fez o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), arrolado como testemunha do presidente da Mitsubishi do Brasil, Robert Rittscher, um dos 16 denunciados por suspeita de participar do suposto esquema de venda de MPs.

Notícias relacionadas

[CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial]
Política

CCJ da CMS aprova relatório do Estatuto da Igualdade Racial

Por Alexandre Galvão no dia 22 de Maio de 2019 ⋅ 14:37 em Política

Apesar da aprovação, parte dos vereadores não ficou contente. "Eu não sei como a CCJ deixou passar tanta irregularidade", protestou a vereadora Cátia Rodrigues