Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Política

STF: Análise de denúncia contra Cunha fica para próxima quarta-feira

Foi marcado para a próxima quarta-feira (2) o julgamento da denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski.

[STF: Análise de denúncia contra Cunha fica para próxima quarta-feira ]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 25 de Fevereiro de 2016 ⋅ 10:24

Foi marcado para a próxima quarta-feira (2) o julgamento da denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Ricardo Lewandowski. O peemedebista foi acusado pela Procuradoria Geral da República de ter cometido os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por suposto recebimento de propina, em razão de um contrato de navios-sonda da Petrobras.

Cunha diz nunca ter recebido "qualquer vantagem de qualquer natureza, de quem quer que seja, referente à Petrobras ou a qualquer outra empresa, órgão público ou algo do gênero".  Com o julgamento marcado para a próxima quarta, o plenário do Supremo terá que decidir se aceita ou não a denúncia contra Cunha. Se aceitar, Cunha passará a ser réu em uma ação penal.

O peemedebista também tem um pedido de afastamento do cargo de presidente da câmara, feito pela Procuradoria Geral da República. Esse pedido não tem previsão para ser analisado. Cunha é acusado de usar o cargo para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. 

Notícias relacionadas

[Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado]
Política

Base de Bolsonaro age para minar CPI no Senado

Por Augusto Romeo no dia 13 de Abril de 2021 ⋅ 08:40 em Política

Aliados do governo preparam ofensiva, e ala do STF tenta maioria para que comissão só precise ser instalada após fim da pandemia