Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Política

Alexandre de Moraes rejeita ação de Bolsonaro sobre desequilíbrio em rádios

Presidente anunciou que vai recorrer ao STF

Alexandre de Moraes rejeita ação de Bolsonaro sobre desequilíbrio em rádios

Foto: Carolina Antunes/PR

Por: Metro1 no dia 27 de outubro de 2022 às 06:51

Uma ação movida pela campanha de reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) foi arquivada nesta quarta-feira (26) por decisão do  presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes. O processo buscava reconhecer suposto desequilíbrio na veiculação de propaganda eleitoral em rádios e foi arquivado por falta de provas.

Além do arquivamento, Moraes encaminhou o caso ao procurador-geral eleitoral, Augusto Aras, para análise de possível “cometimento de crime eleitoral com a finalidade de tumultuar o segundo turno” e de “desvio de finalidade” no uso de recursos públicos. O ministro também remeteu o processo para o inquérito das fake news que ele mesmo conduz no Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão provocou reação do presidente. Bolsonaro, que estava em Minas Gerais, e convocou reunião ministerial de emergência no Palácio da Alvorada, à noite, com a presença dos três comandantes militares. A expectativa era de que ele viajasse direto para o Rio, onde tem agenda de campanha nesta sexta-feira, 27.

Após a reunião, o presidente disse que sua campanha foi prejudicada e recorrerá da decisão.“Realmente, um enorme desequilíbrio no tocante às inserções. Isso, obviamente, interfere na quantidade de votos no final da linha”, disse Bolsonaro, à noite, ao lado dos ministros da Justiça, Anderson Torres, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. “Nós iremos às últimas consequências, dentro das quatro linhas da Constituição, para fazer valer aquilo que nossas auditorias constaram”, declarou o presidente, ao sustentar que rádios deixaram de transmitir sua propaganda para favorecer Lula. “O meu lado foi muito prejudicado e não foi de agora", completou.