Política

Delcídio diz que Lula foi mentor da conversa que teve com filho de Cerveró

A revista semanal Istoé, que normalmente só chega às bancas aos sábados, foi antecipada para esta quinta-feira (3). [Leia mais...]

[Delcídio diz que Lula foi mentor da conversa que teve com filho de Cerveró]
Foto : Divulgação/ PT

Por Matheus Morais no dia 03 de Março de 2016 ⋅ 11:15

A revista semanal Istoé, que normalmente só chega às bancas aos sábados, foi antecipada para esta quinta-feira (3). Tudo por causa da delação premiada do senador e ex-líder do governo no Senado Delcídio do Amaral, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, por tentar atrapalhar as investigações. Segundo o petista, a presidente Dilma Rousseff (PT) teria tentado interferir diretamente na Operação Lava Jato, articulando a nomeação de ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Delcídio acusa ainda o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ser o mentor da conversa entre ele e o advogado e filho de Nestor Cerveró, ex-presidente da Petrobras. O senador ainda propôs uma fuga para Cerveró, que sairia da penitenciária de Curitiba para o Paraguai. De lá, Cerveró seguiria para a Espanha. 

O líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS) foi flagrado em uma conversa onde ele revela que ofereceu R$ 50 mil mensais ao ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró para que ele não fechasse acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal e cooperasse com as investigações da Operação Lava Jato.

A gravação foi obtida pelo G1, através do blog do colunista Matheus Leitão. No diálogo ocorrido no último dia 4 de novembro em um quarto do hotel Royal Tulip, em Brasília, Delcídio propõe ao filho de Cerveró, Bernardo Cerveró, que, se o ex-diretor realmente optasse por um acordo com os procuradores da República, o petista não seria citado.

Notícias relacionadas

[Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco]
Política

Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco

Por Matheus Simoni no dia 25 de Março de 2019 ⋅ 15:02 em Política

Eles estavam presos preventivamente após decisão do juiz federal Marcelo Bretas, após desdobramento da Operação Lava Jato