Política

"Wellington não é de se abater", diz Procurador sobre decisão do STF

O Procurador do Estado da Bahia e professor de Direito Constitucional, Miguel Calmon, comentou em entrevista à Rádio Metrópole na manhã desta quinta-feira (10) sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) pela saída de Wellington Cesar Lima e Silva da Ministério da Justiça. Segundo o procurador "ele não é de se abater com revezes".[Leia mais...]

[
Foto : Reprodução / Portal Governo Federal

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 10 de Março de 2016 ⋅ 09:15

O Procurador do Estado da Bahia e professor de Direito Constitucional, Miguel Calmon, comentou em entrevista à Rádio Metrópole na manhã desta quinta-feira (10) sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) pela saída de Wellington Cesar Lima e Silva da Ministério da Justiçã. Segundo o procurador "ele não é de se abater com revezes".  

"Pela personalidade de Dr. Wellington, ele voltará à função dele, é um homem competente. Óbvio que isso não agradável, mas ele não é um homem de se abater", disse.  

Miguel Calmon falou ainda que a questão no meio jurídico vinha sendo "bastante" discutida. "Os juristas apostavam que o membro do Ministério não poderia exerecer outra função. Embora, o governo apostasse na possibilidade, o Supremo não permitiaria que ele fosse ministro. O ministro Gilmar Mendes abriu o voto dizendo que não queria relatar o caso", completou.

Segundo o STF, Wellington Silva não pode assumir o Ministério por conta da existência de uma regra constitucional que veda que membro do Ministério Público tenha qualquer outra função pública. Ele tem cargo vitalício de procurador do Ministério Público da Bahia (MP-BA).

Leia mais:

Maioria do STF vota pela saída de Wellington César do Ministério da Justiça

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer controlar verbas da Ancine]
Política

Bolsonaro quer controlar verbas da Ancine

Por Juliana Rodrigues no dia 23 de Julho de 2019 ⋅ 07:40 em Política

Produtores e diretores avaliam que a mudança bate de frente com um momento de sucessos recentes do cinema nacional, além de ser uma forma de censura velada