Política

Após reunião com juristas, Dilma volta a dizer que pedido de impeachment é golpe

A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta terça-feira (22) o apoio de dezenas de profissionais do meio jurídico em encontro batizado Encontro com Juristas em Defesa da Legalidade, no Palácio do Planalto, em Brasília. Após o encontro, a petista voltou a reforçar as críticas em torno do pedido de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados. Segundo a presidente, "impeachment é golpe". [Leia mais...

[Após reunião com juristas, Dilma volta a dizer que pedido de impeachment é golpe]
Foto : Roberto Stuckert Filho/PR

Por Matheus Simoni no dia 22 de Março de 2016 ⋅ 14:35

A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta terça-feira (22) o apoio de dezenas de profissionais do meio jurídico em encontro batizado Encontro com Juristas em Defesa da Legalidade, no Palácio do Planalto, em Brasília. Após o encontro, a petista voltou a reforçar as críticas em torno do pedido de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados. Segundo a presidente, "impeachment é golpe". "Não cabem meias palavras: o que está em curso é um golpe contra a democracia. Jamais renunciarei", disse.

Dilma ainda voltou a critica as gravações de conversas captadas pela Polícia Federal entre ela e o ex-presidente Lula. "A Justiça brasileira fica enfraquecida e a Constituição é rasgada quando são gravados diálogos da presidenta da República sem a devida, necessária e imprescindível autorização do Supremo Tribunal Federal", afirmou.

"Preferia não viver este momento, mas que fique claro: me sobram energia, disposição e respeito à democracia para fazer o enfrentamento necessário à conjuração que ameaça a normalidade constitucional e à  estabilidade democrática do país", declarou ela.

Notícias relacionadas

[Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta ]
Política

Maia diz que Bolsonaro não tem coragem de demitir Mandetta

Por Luciana Freire no dia 03 de Abril de 2020 ⋅ 19:00 em Política

Para o presidente da Câmara uma eventual troca mudaria a política do Ministério da Saúde e significaria que Bolsonaro não acredita no que o ministro está fazendo