Faça parte do canal da Metropole no WhatsApp >>

Sexta-feira, 14 de junho de 2024

Home

/

Notícias

/

Política

/

Governo pode reprovar MP que cria Ministério Extraordinário no RS comandado por Paulo Pimenta

Política

Governo pode reprovar MP que cria Ministério Extraordinário no RS comandado por Paulo Pimenta

Devido às resistências do Congresso, a intenção no momento é “empurrar com a barriga” a votação do texto e ganhar tempo na atuação do ministro no estado

Governo pode reprovar MP que cria Ministério Extraordinário no RS comandado por Paulo Pimenta

Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

Por: Metro1 no dia 24 de maio de 2024 às 17:30

O Congresso Nacional avalia que a criação do Ministério Extraordinário para a Reconstrução do Rio Grande do Sul, comandado por Paulo Pimenta, pode não ser aprovada pelos parlamentares caso entre em pauta na votação. O texto enviado ao Palácio do Planalto no último dia 15 e tem validade de 120 dias. 

Em caso da Lei de Diretrizes Orçamentárias, ser aprovada até o meio do ano, o recesso parlamentar acrescentaria 15 dias de validade ao texto. Nesse cenário, Pimenta teria seu cargo garantido até o final de setembro. Segundo o governo, a expectativa era manter a estrutura até fevereiro de 2025, mas isso só deve ser possível com a aprovação do MP.

Devido às resistências do Congresso, a intenção no momento é “empurrar com a barriga” a votação do texto e ganhar tempo na atuação do ministro no estado, cenário tido como possível e favorável. Durante o período de vigência, Pimenta pretende ao menos finalizar o plano de reconstrução.  

Após a validade do texto, o governo poderia continuar encaminhando as ações por outras estruturas, como secretarias extraordinárias. Em hipótese da MP caducar, a secretária extraordinária com caráter de ministério, hoje comandada por Pimenta, pode ser remanejada para a Casa Civil. O risco, no entanto, é o texto entrar na pauta de votação.

Diante deste cenário, os membros do Palácio do Planalto consideram haver um grande risco de derrota, o que anteciparia o retorno de Pimenta à Secretaria de Comunicação Social, o que tornaria o governo sem um plano B para implementar as medidas no estado. A indicação de Pimenta ao cargo gerou críticas imediatas por politizar a tragédia ambiental.