Política

Neto se posiciona sobre impeachment e afirma esperar diálogo com a oposição

O prefeito ACM Neto (DEM) afirmou, na tarde desta terça-feira (31), acreditar que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) dará um novo folego para o país. Ele falou ainda, em conversa com o Bocão News, que vê a necessidade do novo governo dialogar com a oposição, e que é preciso construir uma agenda que leve ao crescimento do país. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto :Max Haack/ Agecom

Por Laura Lorenzo no dia 31 de Agosto de 2016 ⋅ 19:00

O prefeito ACM Neto (DEM) afirmou, na tarde desta terça-feira (31), acreditar que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) dará um novo folego para o país. Ele falou ainda, em conversa com o Bocão News, que vê a necessidade do novo governo dialogar com a oposição, e que é preciso construir uma agenda que leve ao crescimento do país. 

“Espero que haja novo momento na política do brasil a partir de hoje. Que possamos definitivamente virar essa página da história deixar os embates e enfrentamentos em segundo plano. O Brasil precisa de uma agenda que supere a crise. O governo já efetivo deve construir um diálogo com a oposição que o anterior não fez. Não pode cometer os mesmos erros que o governo anterior”, destacou o gestor. 

Neto declarou ainda que pretende buscar apoios federias para a cidade, e que tentará manter um diálogo com o presidente Michel Temer.  “Trabalhei com dois governador, Rui Costa e Jaques Wagner e trabalharei com Michel Temer. Eu tinha dito que independente do resultado a nossa posição institucional estaria preservada e vou manter isso, espero que com resultados diferentes”, completou.

O prefeito se negou a avaliar a decisão do Senado em manter os direitos políticos de Dilma, mas disse achar que essa decisão mostra que a democracia no país está cada vez mais forte e respeitada”.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial]
Política

Bolsonaro quer iniciar 2020 com reforma ministerial

Por Juliana Rodrigues no dia 14 de Dezembro de 2019 ⋅ 14:28 em Política

Titulares das pastas da Educação, Casa Civil e Minas e Energia devem ser substituídos, segundo interlocutores do governo