Política

Jornada de 12 horas é citada e Temer orienta ministro do Trabalho a se retratar

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, recebeu uma ligação do presidente Michel Temer na noite dessa quinta-feira (8), após a repercussão de suas declarações sobre a reforma trabalhista. Segundo o ministro, seria formalizada jornadas diárias de até 12 horas. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Geraldo Magela/Agência Senado

Por Camila Tíssia no dia 09 de Setembro de 2016 ⋅ 06:38

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, recebeu uma ligação do presidente Michel Temer na noite dessa quinta-feira (8), após a repercussão de suas declarações sobre a reforma trabalhista. Segundo o ministro, seria formalizada jornadas diárias de até 12 horas. A afirmação foi feita pelo Grupo Estado. "O presidente me ligou, me orientou a reafirmar que o governo não vai elevar a jornada de 8 horas nem tirar direitos dos trabalhadores", disse o ministro.

Atualmente, contratos de trabalho com jornadas superiores a oito horas diárias são frequentemente questionados pela Justiça do Trabalho, que ainda não reconhece formalmente a jornada mais longa.

Segundo a publicação, o Planalto ficou "muito irritado" com as declarações de que a proposta poderá ampliar as modalidades permitidas de contrato formal de trabalho. Este tipo de declaração, "precisa ser feita com muita cautela" e com as devidas explicações "para evitar erros de interpretação", de acordo com o Palácio.

Nogueira reforçou ainda que, o padrão normal e legal continuará sendo o de 8 horas diárias e 44 horas semanais, sem alterações para os trabalhadores. O que a reforma permitirá é que as convenções coletivas de categorias tenham a opção de flexibilizar a forma como a jornada será realizada, ou seja, como as horas serão distribuídas na semana (com limites de até 12h por dia e 44h mais 4h extras por semana).

Notícias relacionadas

[PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido]
Política

PSL deve suspender Eduardo Bolsonaro por críticas ao partido

Por Juliana Rodrigues no dia 20 de Outubro de 2019 ⋅ 09:00 em Política

“Precisamos salvar o Brasil dos filhos do presidente”, disse o deputado Júnior Bozzella (SP), que é um dos principais porta-vozes do presidente da sigla, Luciano Bivar